Micróbios estão por (quase) toda parte

Será que existe vida em todos os lugares do planeta Terra?

Um dos maiores desafios da ciência é a busca por vida fora do nosso planeta. Ainda que poucos cientistas – e eu sou um deles – esperem encontrar vida inteligente fora da Terra, muitos acreditam que outros corpos celestes possam abrigar, ou já abrigaram, apenas formas de vida mais simples, como microrganismos. 

Mas, curiosamente, tão difícil quanto encontrar vida fora da Terra é encontrar algum lugar na superfície do nosso planeta que não tenha vida. Mesmo lugares com condições ambientais extremas, que à primeira vista parecem desabitados, geralmente abrigam toda uma comunidade microbiana. Essas bactérias e fungos microscópicos, capazes de sobreviver em ambientes como os arredores de um vulcão, desertos de sal e águas congeladas, são chamados de extremófilos

Cientistas já analisaram amostras de solo dos desertos mais áridos, das montanhas mais altas e das regiões mais profundas dos oceanos e em todas elas encontraram micróbios vivendo numa boa. Mas, em 2018, um grupo de pesquisadores dos Estados Unidos e do Canadá resolveu explorar o solo ao longo de uma cadeia de montanhas na Antártida e encontraram os primeiros pontos conhecidos da superfície terrestre sem qualquer sinal de vida. 

Na verdade, os microrganismos extremófilos estavam presentes na maior parte das mais de 200 amostras de solo investigadas. Mas, em algumas porções, das regiões mais altas, onde o frio é ainda mais severo, o solo é mais seco e com maior concentração de sais, nenhum sinal de vida microbiana foi detectado, mesmo com o uso de diferentes e modernas técnicas de procura por microrganismos. Parece que a combinação dessas diferentes condições extremas, persistindo por tantos anos naquele local, impediu que os microrganismos que eventualmente chegassem ali pelo vento sobrevivessem.

O solo gelado, seco e com muitos sais de montanhas na Antártida é o primeiro lugar conhecido na Terra onde até mesmo os microrganismos são incapazes de sobreviver.
Foto Hannes Grobe/Wikimedia Commons
Microrganismos extremófilos são capazes de viver até em águas ácidas e ferventes de algumas fontes termais. E são eles os responsáveis por esse show de cores!
Foto Tjflex2/Flickr

Uma das conclusões dessa pesquisa é que é improvável que haja vida microbiana em Marte. Isso porque as condições do solo na Antártida são parecidas, ou até um pouco menos extremas que o solo do planeta vermelho. Mas como estamos falando de micróbios com superpoderes, quem sabe eles não surpreendem os cientistas mais uma vez, né?!


vinicius

Vinícius São Pedro,
Centro de Ciências da Natureza,
Universidade Federal de São Carlos

Sou biólogo e, desde pequeno, apaixonado pela natureza. Um dos meus passatempos favoritos é observar animais, plantas e paisagens naturais.

Matéria publicada em 26.11.2021

COMENTÁRIOS

  • Ana Beatriz

    Olá CHC Aqui é a Ana Beatriz eu adorei esse site é eu estava pensando porque nós choramos quando cortamos a cebola ? Porque o sol e importante para o nosso planeta ? Ainda tenho muitas dúvidas mas vou ler as publicações para entender melhor muitos beijos Ana Beatriz

    Publicado em 30 de novembro de 2021 Responder

  • Alunos (as)- 5º ano C-EMEF Raquiel Jane Miranda

    Paulicéia, 1 de dezembro de 2021.
    Olá pessoal da CHC.
    Somos os alunos do 5º ano C- da EMEF Raquiel Jane Miranda- Paulicéia-SP, da Professora Marcela.
    Queremos saber sobre a reportagem “MICRÓBIOS ESTÃO POR (QUASE) TODA PARTE”, da edição 327, de 26/11/2021.
    Gostaríamos de saber porque os micróbios existem e para que servem?
    Abraços virtuais.
    Alunos do 5º ano C.

    Publicado em 1 de dezembro de 2021 Responder

  • Ana Carolina

    Olá revista CHC, tudo bem com vocês?

    Somos alunos do 5º ano B da E.M. “Professora Maria Leonor Costa”. Hoje, na aula de Língua Portuguesa realizamos a leitura da reportagem “Micróbios estão por (quase) toda parte” e gostamos muito, por que não sabíamos que micróbios não gostam do frio, solos secos e com muita concentração de sais e por isso, a possibilidade de existir vida microbiana em Marte é muito baixa, devido a combinação desses fatores em seu ambiente.

    Atenciosamente

    Alunos do 5º ano B, Cruzeiro – SP

    Publicado em 2 de dezembro de 2021 Responder

  • jorge

    pão

    Publicado em 2 de dezembro de 2021 Responder

  • 5º ano A – EMEF ‘Profª Gessy M. Beozzo’

    Lins, 08 de dezembro de 2021

    Olá, pessoal do CHC
    Somos alunos da escola EMEF “Prof Gessy M. Beozzo”, 5 ano A. Lemos a reportagem “Micróbios estão por (quase) toda parte” , da edição 327 de 26\11\2021 e gostamos muito, pois descobrimos que não existe vida em toda parte do nosso planeta.
    Ficamos curiosos em saber como surgiram os micróbios. Vocês poderiam publicar uma reportagem com este tema?

    Até mais! Alunos do 5 ano A.

    Publicado em 8 de dezembro de 2021 Responder

  • Alunos do 4º ano A

    Itatiba, 08 de dezembro de 2021

    Prezado editor da revista CHC

    Somos alunos do 4º ano A, da escola EMEB Prof. Luiz Pântano e lemos a matéria “Micróbios estão por (quase) toda a parte”.
    Com essa leitura aprendemos que micróbios não conseguem sobreviver ao frio extremo, a presença de sais e solo seco e isso é muito importante, pois descobrimos as fraquezas dos microrganismos.
    Gostaríamos de ler uma matéria sobre os microrganismos extremófilos para aprendermos mais sobre esse assunto.
    Obrigado pela atenção,
    Abraços virtuais,
    Alunos do 4º ano A

    Publicado em 8 de dezembro de 2021 Responder

  • Suelem Aparecida Barcelos Ferreira

    Olá meu nome é Suelem
    Sou aluna da graduação de licenciatura de ciências biológicas na Universidade estadual de Minas Gerais e venho parabenizar e dizer que futuramente usarei o seu texto em minhas aulas, pois tem uma linguagem clara e objetiva que as crianças entenderam com facilidade.

    Publicado em 9 de dezembro de 2021 Responder

Envie um comentário

admin

CONTEÚDO RELACIONADO

Quem vê cara não vê coração

Já pensou em como nosso cérebro entende os ditados populares?

Nem tudo que cai na rede é para comer!

É possível escolher a melhor hora de consumir pescados e dar uma forcinha para o meio ambiente

Open chat