Um método para encontrar respostas

A ciência explica tudo (ou quase tudo). Mas, para chegar a uma conclusão sobre qualquer assunto, cientistas precisam seguir um passo a passo, que é válido para qualquer área do conhecimento. Esse passo a passo se chama método científico. Quer conhecê-lo?!

Ilustração Mariana Massarani

Um método é um jeito de fazer as coisas seguindo etapas. Para fazer macarrão, por exemplo, seguimos basicamente quatro etapas: 1) colocamos água para ferver; 2) colocamos o macarrão na água fervente para amolecer; 3) escorremos o macarrão; 4) colocamos o molho e… pronto! O método científico, que é um jeito de buscar respostas para qualquer pergunta, em qualquer área do conhecimento, também pode ser dividido em quatro etapas. Um exemplo vai ajudar a entendermos bem cada uma delas. Vamos tentar com as aves!

O método científico em 4 etapas

Etapa 1: OBSERVE

Observar é uma ação praticada por qualquer pessoa diariamente. As observações costumam gerar conclusões. Por exemplo: “quando me exercito, sinto sede”; “quando algo voa em minha direção, meus olhos se fecham”; “quando alguém boceja de sono próximo de mim, eu sinto vontade de bocejar também”. Vamos, agora, pensar um pouco sobre as aves. Imagine que você tenha reparado que uma espécie de ave que normalmente vem se alimentar no seu quintal desaparece durante alguma época do ano. Após essa observação você se pergunta: “Esses animais realmente somem?”; “Se somem, para onde vão?”; “Por que eles vão embora?”. Essas dúvidas nos levam à segunda etapa…

 

Etapa 2: CRIE UMA HIPÓTESE

A hipótese é um “chute”. Um pontapé inicial para você começar a buscar a verdade. Para continuar no nosso exemplo das aves, vamos dar o primeiro “chute”: “As aves somem porque vão para o fundo do mar”. Essa nossa hipótese normalmente é baseada no conhecimento que já temos sobre as espécies. Mas até quem não tem nenhum conhecimento sobre o assunto pode utilizar o método e gerar conhecimento.

 

Etapa 3: TENTE PROVAR QUE SUA HIPÓTESE (“CHUTE”) ESTÁ ERRADA

É isso mesmo, você não se enganou na leitura! A grande importância do método científico está em você tentar provar a todo custo que seu “chute” está errado. Isso porque, somente se ele (seu “chute”) não se mostrar errado, poderá ser considerado uma hipótese científica. Para testar a nossa hipótese, podemos, por exemplo, mergulhar no mar e procurar as aves. Caso as aves não sejam encontradas, deixamos de lado aquela hipótese e podemos formular outra, e novamente testá-la até conseguir entender o que está acontecendo. Uma nova hipótese poderia ser: “As aves viajam”, e aí teríamos de arranjar uma forma de seguir as aves para testar a nossa hipótese.

 

Etapa 4: PUBLIQUE SUAS CONCLUSÕES

A publicação das pesquisas – isto é, de textos que descrevem o método desde a observação, passando pelas hipóteses e testes, até se chegar a uma conclusão – é importante porque outros especialistas na área em que você está estudando (no caso, especialistas em aves) precisam avaliar as etapas que você seguiu e fazer novos testes para verificar as conclusões apresentadas. Por exemplo: outros pesquisadores podem criar diferentes formas de seguir as aves para verificar se elas realmente viajam. Enquanto tudo se confirmar, você terá produzido um novo conhecimento, algo que poderá ser informado às pessoas em qualquer lugar do mundo como sendo uma explicação científica.

Os resultados do método científico

Vamos voltar a nossa pergunta: “Por que as aves somem em um período do ano?”. Ao longo da história da observação de aves, milhares de testes já foram feitos após a primeira observação, assim como diversas pesquisas, que seguiram todas as quatro etapas do método científico. Uma forma utilizada de “seguir” as aves foi colocar pequenas anilhas (algo semelhante a uma pulseira) nas patas de alguns indivíduos. Assim, as aves marcadas na região sul do continente eram vistas na região norte em outro período, confirmando que viajavam.

As anilhas são pequenas “pulseiras” que servem para identificar o animal e segui-lo em sua rota na natureza.
Foto Wikipédia

A migração é real

Testando diversas hipóteses, cientistas construíram um grande conhecimento sobre as viagens, ou melhor, as migrações das aves – algo que ocorre ao redor de todo o mundo. E é tanto conhecimento produzido que os especialistas até subdividem os tipos de migrações existentes, dependendo do local de origem e destino (do norte para o sul; do sul para o norte; do leste para o oeste etc.). Já se sabe também os motivos que levam os animais a viajarem por longas distâncias: pode ser para buscar ambientes com clima mais quente (devido aos invernos rigorosos), para reproduzir, para buscar alimentos, entre outros. Sabe-se também que migrar não é um hábito apenas das aves. Baleias, peixes, borboletas, caranguejos, tubarões, gafanhotos, entre outros animais também migram.

 

Tudo o que um cientista diz é verdade?

Opa! O conhecimento científico é uma forte explicação com base em hipóteses testadas muitas vezes. Cada vez que uma hipótese resiste ao teste de ser desmentida, ela é fortalecida, mas continua sendo testada. Se alguém discorda, precisa desenvolver uma outra hipótese para testar.

O método científico garante que você retire sua conclusão baseando-se nos fatos. Esse método, seguido por cientistas do mundo todo, foi testado ao longo de séculos. Por serem humanos, cientistas podem errar, é claro. Mas há uma grande chance de que o erro cometido por um(a) cientista seja apontado por outro(a) cientista rapidamente.

 

Brasil faz Ciência!

No Brasil, temos vários campos de pesquisa e, hoje, nossa ciência é reconhecida e respeitada internacionalmente, apesar de nem sempre ser reconhecida dentro do próprio país. Confie na ciência! E, na próxima vez que escutar a frase: “pesquisa mostra que…”, tenha em mente que todos os passos necessários para realização do estudo foram bastante testados até serem considerados prontos para serem divulgados!

Viajante do Brasil

O tesourinha, que os cientistas chamam de Tyrannus savana, é uma ave típica do Brasil, muito comum nas cidades. Tem um capuz negro e uma cauda longa, que se torna mais visível durante o período reprodutivo. Hoje sabemos que essa ave migra com intuito de se reproduzir, saindo das regiões amazônicas indo até outros biomas do Centro-Oeste e Sul do país. Após essa jornada, os indivíduos retornam para o local de origem, junto com seus filhotes. Esses filhotes aprendem a trajetória para quando chegar a hora realizar a mesma viagem.

Tesourinha (Tyrannus savana)
Gráfico Nato Gomes/Foto Renata Nunes
Adaptado de Tuero et al. 2019

Eduardo Guimarães Santos,
Universidade de Brasília.
Helga Correa Wiederhecker,
Universidade Católica de Brasília

Matéria publicada em 25.05.2021

COMENTÁRIOS

  • Júnia

    Interessante notar também, os locais mais comuns onde costumam construir seus ninhos (se perto de áreas urbanas, aproveitando vãos de telhados, campo etc).

    Publicado em 26 de maio de 2021 Responder

    • Eduardo Guimarães Santos

      Obrigado Júnia. Fico feliz que tenha gostado.

      Publicado em 17 de agosto de 2021 Responder

  • Luciana

    Excelente artigo!

    Publicado em 28 de maio de 2021 Responder

    • Eduardo Guimarães Santos

      Obrigado Luciana. Fico feliz que tenha gostado.

      Publicado em 17 de agosto de 2021 Responder

  • Eduardo

    Excelente artigo

    Publicado em 1 de junho de 2021 Responder

    • Eduardo Guimarães Santos

      Obrigado Eduardo. Fico feliz que tenha gostado.

      Publicado em 17 de agosto de 2021 Responder

  • Sandra

    Parabéns. Excelente artigo para ajudar alunos realmente entender o assunto. Gratidão!

    Publicado em 1 de junho de 2021 Responder

    • Ana Beatriz Rodrigues Vilanova

      Eu gostei de ler

      Publicado em 5 de junho de 2021 Responder

    • Eduardo Guimarães Santos

      Obrigado Sandra. Espero que auxilie os alunos a entender, Fico feliz.

      Publicado em 17 de agosto de 2021 Responder

  • Maria Valentina

    Adorei saber que os cientistas usam “pulseiras” nos pássaros como forma de identificar sua rota.

    Publicado em 3 de junho de 2021 Responder

    • Eduardo Guimarães Santos

      🙂

      Publicado em 17 de agosto de 2021 Responder

  • Professora Stephanie e seus alunos

    Olá, galera da CHC!
    É com prazer que eu e meus alunos estamos aqui navegando nessa plataforma tão incrível e interessante. Estamos apaixonados por todas as matérias. Mas essa “UM MÉTODO PARA ENCONTRAR RESPOSTAS” nos ensinou bastante.
    Obrigada pela dedicação e capricho com esse site magnífico.
    Grande beijo,
    Stephanie Martins – RIO DE JANEIRO

    Publicado em 8 de junho de 2021 Responder

    • Eduardo Guimarães Santos

      Oi Prof. Stephani e alunos.
      Fico muito feliz que tenha gostado do texto. Fizemos com muito carinho. Fico feliz em saber que ajudou.
      🙂

      Publicado em 17 de agosto de 2021 Responder

  • Mariana Grave

    Achei bem legal e interessante 😄

    Publicado em 16 de junho de 2021 Responder

    • Heloisa Maziero Domingues

      Concordo com você é legal e interessante amei essas curiosidades ☺☺😊

      Publicado em 17 de junho de 2021 Responder

    • Eduardo Guimarães Santos

      🙂

      Publicado em 17 de agosto de 2021 Responder

  • Júlia Morgan

    Boa tarde CHC.
    Eu achei muito interessante entender como funciona os 4 métodos científicos que são: a observação, a hipótese, comprovar a sua hipótese e mostrar as conclusões. E achei legal vocês darem um exemplo sobre o por que as aves somem em um determinado período do ano, que é por causa da migração de um grupos de aves para outro território, podendo ser por buscar de alimento ou em busca de um lugar mais quente.
    Um grande beijo.

    Publicado em 16 de junho de 2021 Responder

    • Eduardo Guimarães Santos

      Que bom que gostou Júlia. Fico feliz em saber.
      🙂

      Publicado em 17 de agosto de 2021 Responder

  • Heloisa Manidro Domingues

    Achei bem interessante essas curiosidades são incríveis nem sabia disso

    Publicado em 17 de junho de 2021 Responder

    • Heloisa Maziero Domingues

      Não é manidro é maziero

      Publicado em 17 de junho de 2021 Responder

    • Eduardo Guimarães Santos

      🙂

      Publicado em 17 de agosto de 2021 Responder

  • bela silvia alves

    adorei ler e muito divertido

    Publicado em 21 de junho de 2021 Responder

    • Eduardo Guimarães Santos

      Obrigado Bela. Fico feliz que tenha gostado.

      Publicado em 17 de agosto de 2021 Responder

  • Trash

    eae pode me mandar um oi aqui?

    Publicado em 23 de junho de 2021 Responder

  • Layla Cristina Ramos de Pinho

    Gostei de ler muito interessante

    Publicado em 2 de agosto de 2021 Responder

    • Eduardo Guimarães Santos

      Fico feliz que tenha gostado, Layla. 🙂

      Publicado em 17 de agosto de 2021 Responder

  • Richard Rodrigues de Souza

    Adorei é jeito legal

    Publicado em 6 de agosto de 2021 Responder

  • camila

    Não entendi o que está falando

    Publicado em 9 de agosto de 2021 Responder

  • Anthony Gustavo de Lima Pereira da costa

    Oi

    Publicado em 31 de agosto de 2021 Responder

  • 4orkktk5od,r

    me ajudou bastante

    Publicado em 20 de novembro de 2021 Responder

Envie um comentário

admin

CONTEÚDO RELACIONADO

Floresta azul?

Debaixo d’água existe uma floresta tão importante quanto às que temos em terra firme!

Um urso pelo Brasil

Ele dominou as Américas, mas desapareceu misteriosamente

Open chat