Animais também aprendem observando

Os animais não agem apenas por instinto, seus comportamentos podem ser bem engenhosos e até mesmo aprendidos.

Os animais exibem diferentes tipos de comportamentos. Alguns deles, chamados comportamentos inatos, não precisam ser aprendidos – são aqueles que os animais já nascem “programados” para executá-los. Por exemplo:os filhotes de mamíferos (incluindo os bebês humanos) já nascem sabendo como sugar o leite de suas mães. Porém, há comportamentos que precisam ser aprendidos através da experiência de vida. É o caso, por exemplo, dos filhotes de leões que, embora nasçam com certo instinto de caça,só aprendem a caçar de fato observando os adultos em ação e praticando.

Alguns desses comportamentos aprendidos, quando são típicos de um determinado grupo de indivíduos da mesma espécie, podem ser considerados culturais. Assim, não podemos chamar de cultural o aprendizado de caça dos leões, já que isso é comum a todos os bandos dessa espécie. Mas… E se descobríssemos que um determinado bando “inventou”uma estratégia de caça muito particular e que esse comportamento está sendo aprendido ao longo das gerações? Isso sim seria considerado transmissão cultural. Um bom exemplo são as orcas:diferentes populações têm estratégias próprias de caça que são ensinadas ao longo das gerações.

Entre os animais brasileiros, os macacos-pregos (Sapajus spp) são conhecidos por improvisar diversas ferramentas. Esse comportamento não é herdado geneticamente, mas aprendido uns com os outros por
observação e prática.
Foto Tiago Falótico

Comportamentos culturais também já foram observados em aves a até mesmo em peixes. Mas os campeões nesse quesito são mesmo os primatas. Populações de diversas espécies de macacos apresentam comportamentos culturais relacionados à comunicação, defesa e obtenção de alimento. Somente entre os chimpanzés são conhecidos mais de 30 comportamentos como esses, que incluem o uso de ferramentas rudimentares (quando usam pedras e galhos, por exemplo) e diferentes técnicas de construir abrigos e ninhos.

Não é por acaso que esses comportamentos são mais comuns em primatas,já que evolutivamente eles são nossos “primos”. Estudar esses comportamentos e como se originam é importante não apenas para conhecer melhor esses animais, mas também para tentar entender a origem de nossos próprios comportamentos e cultura.

Em 2011, pesquisadores observaram pela primeira vez na natureza um chimpanzé (Pan troglodytes) utilizando um punhado de musgos para absorver água de uma poça, como se fosse uma esponja, e em seguida leva-la até a boca. Nos anos seguintes esse comportamento foi sendo copiado por outros indivíduos, surgindo a partir daí uma nova tradição cultural naquele bando.
Foto: Derek Keats; WikimediaCommons

Vinícius São Pedro,
Centro de Ciências da Natureza,

Universidade Federal de São Carlos

Sou biólogo e, desde pequeno, apaixonado pela natureza. Um dos meus passatempos favoritos é observar animais, plantas e paisagens naturais.

Matéria publicada em 22.03.2019

COMENTÁRIOS

  • Anna Elise

    Esses primatas são muito espertinhos!

    Publicado em 8 de junho de 2019 Responder

Envie um comentário

CONTEÚDO RELACIONADO

Como nasceram todas as histórias

No início da criação do mundo, as histórias ficavam todas em um baú, aos cuidados de Nyame. Então Ananse, uma criatura metade homem e metade aranha, resolveu ir ao céu buscar histórias para contar.

Fala Aqui!

Este é o espaço para você falar com a CHC! Pergunta que a gente responde!