Balé afro-brasileiro

Conheça Mercedes Baptista, a primeira bailarina negra do Teatro Municipal do Rio de Janeiro.

 

Foto Wikipédia/Arquivo Nacional

Ela nasceu em 1921, em Campos dos Goytacazes, no Estado do Rio de Janeiro. Era filha de Dona Ignácia da Silva, que, com o seu trabalho de costureira, a criou sozinha – realidade ainda muito comum nas famílias brasileiras. Como o dinheiro era pouco e Dona Ignácia tinha o sonho de uma vida melhor, mãe e filha se mudaram para o Rio de Janeiro e foram trabalhar na casa de uma família. Mais tarde, Mercedes Baptista trabalhou também na bilheteria de um cinema, onde viu nascer o seu amor pela dança e pela vida nos palcos.

Decidida a se tornar uma bailarina, a jovem fez o Curso de Danças oferecido pelo Serviço Nacional de Teatro (SNT). Aprendeu balé clássico e dança folclórica. Conseguiu entrar também para a Escola de Balé do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, tornando-se uma bailarina clássica. Foi admitida como bailarina profissional no Corpo de Baile do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, a primeira bailarina negra do Teatro. Era uma conquista pessoal muito importante e que mostrava o quanto o racismo era real na sociedade e naquela instituição, até então formada apenas por artistas brancos.


roberta

Robertha Triches

Professora do Departamento de História do Colégio Pedro II
Doutora pela Universidade Federal Fluminense

Sou professora de História e adoro falar sobre as personalidades que marcaram o Brasil de outras épocas!

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje das Crianças

CONTEÚDO RELACIONADO

Floresta azul?

Debaixo d’água existe uma floresta tão importante quanto às que temos em terra firme!

Um urso pelo Brasil

Ele dominou as Américas, mas desapareceu misteriosamente

Open chat