Uma mulher do campo

Líder na luta camponesa, Elizabeth Altina Teixeira teve que mudar de nome e se afastar dos filhos para sobreviver

Elizabeth Altina Teixeira nasceu em 1925, em Sapé, um município rural no interior da Paraíba. Sua vida mudou completamente quando se apaixonou por um homem negro e pobre, chamado João Pedro Teixeira. Em razão do preconceito racial, o pai de Elizabeth, que, como ela, era branco, não aceitou o relacionamento. Elizabeth então fugiu com João Pedro, aos 16 anos de idade, começando assim uma história de amor, luta e resistência. 

Ao lado de seu companheiro, a moça iria conhecer um mundo marcado por injustiças e misérias, muito distante da vida de que desfrutava na fazenda. João Pedro tinha muita dificuldade de conseguir emprego, porque os empresários sabiam

Reprodução

que ele participava ativamente do movimento operário, que lutava por melhores condições de trabalho, tendo inclusive ajudado a fundar alguns sindicatos, organizações e ligas que defendem interesses comuns aos trabalhadores.

 


Robertha Triches
Professora do Departamento de História do Colégio Pedro II
Doutora pela Universidade Federal Fluminense

Sou professora de História e adoro falar sobre as personalidades que marcaram o Brasil de outras épocas!

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje das Crianças

admin

CONTEÚDO RELACIONADO

Bem lá no fundo do oceano

Segure o fôlego e mergulhe para descobrir o que há no mar profundo!

Monumento ao Dois de Julho

Ele fica em Salvador, na Bahia, e é um marco no processo de Independência do Brasil