Um pouco da história da tabela

Você já leu o texto Organização para ninguém botar defeito publicado nesta edição? Já! Então você já sabe que os elementos químicos são os formadores de tudo aquilo que existe no mundo – quando eu digo tudo, é tudo mesmo! Formam as nuvens, os balões de gás, o ar que vai dentro dos balões, as árvores, a água, a areia, a panela, a comida, os brinquedos, os carros, os aviões, os foguetes, a Terra, os demais planetas, as casas, as roupas, os sapatos, o ar que você respira e até você! Pense em qualquer coisa sólida, líquida ou gasosa, essa coisa certamente é formada por um ou mais elementos químicos.

Se você leu o primeiro texto com atenção, sabe que todos os elementos químicos – tanto os encontrados na natureza quanto os produzidos em laboratórios – estão arrumados em uma tabela (clique aqui para conhecê-la). Essa tabela é tão importante para a ciência que a Organização das Nações Unidas – a ONU – declarou 2019 o Ano Internacional da Tabela Periódica e homenageou mais de um cientista importante!

Ilustração Mariana Massarani

O grande homenageado do Ano Internacional da Tabela Periódica foi Dmitri Ivanovic Mendeleev, que nasceu na Rússia, em 1834, e morreu em 1907. Ele é que propôs há 150 anos a arrumação da tabela que é usada até hoje! Dmitri era o caçula de 14 irmãos. Seu pai era professor, mas ficou cego muito cedo e não pôde mais trabalhar. A família foi sustentada por sua mãe, que trabalhava em uma fábrica de vidros. O menino Dmitri sempre foi um aluno muito dedicado, que adorava ciências. A mãe, vendo o interesse do filho, resolveu investir mais ainda em seus estudos. Dmitri Mendeleev se formou em química na Rússia, depois continuou a estudar na França e na Alemanha, onde morou por anos. Quando voltou a Rússia, se casou e teve quatro filhos. Foi em sua terra natal que ele organizou os 63 elementos que deram origem a tabela periódica, que hoje conhecemos com 118 elementos.

Dê mais uma espiada na tabela periódica. Nela, como já dissemos, estão organizados todos os elementos que existem na natureza. Dos mais conhecidos, como o oxigênio e o hidrogênio (que estão no ar e na água, por exemplo), passando pelo ferro (que está nas construções e nas ferramentas, por exemplo),até chegar nos mais raros, como o ouro.

Quando são combinados, as dezenas de elementos da tabela se transformam e compõem substâncias como a água, o ar, objetos, plantas, bicho, gente…

Procure na tabela, por exemplo, o símbolo do oxigênio. Vou ajudar: é o número 8. Achou? Muito bem! Você acabou de descobrir o elemento que compõe o ar que respiramos. Juntando duas porções (ou melhor, dois átomos, que é a maneira correta de falar) do hidrogênio com um de oxigênio (o número 1 na tabela), temos a famosa fórmula da água: H2O!

 

Mais comemorações

Além de comemorar os 150 anos da organização da tabela,2019 também é o ano em que se celebra o centenário de nascimento do italiano Primo Levi. Antes que você pergunte, ele não era primo de Dmitri Mendeleev!

Primo Levi (este era o nome dele) nasceu muitos anos depois da organização da tabela periódica, mas deixou uma contribuição muito valiosa não só para a ciência. Ele foi um escritor premiado que publicou, entre outras obras importantes, o livro A Tabela Periódica, em 1975. Sua obra misturava literatura e ciências e é um conjunto de algumas histórias vividas pelo autor. Para cada uma delas, ele deu como título o nome de um elemento químico. Em 2006, essa obra foi considerada o melhor livro de ciência já escrito.

 

Fórmula de todas as coisas

Ao longo de um século e meio, a tabela periódica tem nos ajudado a entender de que são feitas as coisas (vivas ou não). Seus elementos também têm sido inspiração para poetas, escritores e cientistas, permitindo a criação de uma fórmula, que nunca falha, de ciências e humanidades, como fez Dmitri e Levi.

Mais sobre Primo Levi

Ele nasceu em Turim, em 31 de julho de 1919, em uma família de imigrantes judeus vindos da França e da Espanha. Desde cedo, ele demonstrou interesse por ciência e acabou estudando química na Universidade de Turim. Formou-se em 1941, durante a Segunda Guerra Mundial. Na época, na Itália, o governo não incentivava estudantes de origem judaica a avançar nos estudos. Em 1943, o exército alemão ocupou parte da Itália. Levi foi preso em 1944. Como poucos, ele sobreviveu à prisão. Em parte, graças aos seus conhecimentos de química, que o permitiram trabalhar, como escravo, em uma fábrica. Passou onze meses nessa situação.

Em um dos capítulos de seu livro A Tabela Periódica, Levi conta sobre a prisão e o curto período que passou em uma cela com um garimpeiro (pessoa que trabalha tentando encontrar pedras e metais preciosos). A esse capítulo ele deu o título de Ouro.

“Se excluirmos os momentos miraculosos e isolados que o destino pode conceder a um homem, amar seu próprio trabalho (infelizmente, privilégio de poucos) é a melhor aproximação concreta da felicidade na Terra: mas essa é uma verdade que poucos conhecem.”

Essas palavras de Levi revelam que ele acreditava muito no valor de trabalharmos no que gostamos.Para ele, a satisfação que qualquer pessoa sente ao fazer bem seu trabalho é a receita para uma vida feliz.

Alberto Passos Guimarães

Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas.

Matéria publicada em 01.07.2019

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

admin

CONTEÚDO RELACIONADO

Menino brilhante

Um dos maiores nomes da literatura brasileira, Lima Barreto morreu sem ver o sucesso de seus livros.

Na cidade onde os sinos falam

Quem mora em São João del-Rei, em Minas Gerais, aprende uma linguagem muito especial.