Vamos pescar com responsabilidade?

É preciso respeitar as leis ambientais para que os pescados não nos faltem.

Ilustração Walter Vasconcelos

Pescar peixes e frutos do mar para comer é uma atividade muito antiga realizada por nós, humanos. Atualmente, a pesca de qualquer tipo de organismo aquático em rios, lagos, mares e manguezais é uma atividade definida. Isso quer dizer que existem leis ambientais que especificam os períodos e os locais em que se pode pescar. Mas por que isso é importante?

Embora existam milhares de espécies aquáticas, as que foram e ainda são mais pescadas são os peixes-ósseos – como bacalhau, merluza, pirarucu, sardinha e tambaqui –, os peixes-cartilaginosos – como cação e raia –, os crustáceos – como caranguejo, lagosta e siri –, os moluscos – como lula, mexilhão, ostra e polvo – e até mesmo mamíferos – como baleia, foca e peixe-boi. Acontece que, ao retirarmos da natureza um pequeno peixe ou uma gigantesca baleia, podemos afetar negativamente o ambiente aquático. Isso ocorre quando extraímos uma quantidade de indivíduos maior do que a natureza consegue repor, e se chama sobrepesca.

Há diversas espécies marinhas encontradas em menor quantidade nos diferentes cursos d’água, e essa contagem muda a cada ano. Um exemplo de espécie marinha que já diminuiu muito é o atum-azul (Thunnus thynnus), bastante valorizado na culinária japonesa. O aumento da tecnologia pesqueira faz com que os pescadores consigam capturar o pescado em maiores quantidades e chegar em locais onde não era possível, como regiões isoladas, ilhas oceânicas e, até mesmo, no oceano profundo.

Porém, a sobrepesca tem efeitos negativos para todos! Para os pescadores, a captura se torna mais cara e requer maior esforço; para o consumidor, o preço do pescado se torna mais alto; e, para a natureza, a retirada excessiva causa um desequilíbrio ambiental, podendo levar à extinção de algumas espécies.

Segundo estimativas da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, a FAO, todos os estoques pesqueiros – isto é, as populações naturais – do mundo já estão com baixa capacidade de produção. Para combater a sobrepesca, é preciso respeitar as leis ambientais e não capturar espécies ameaçadas de extinção ou no período reprodutivo.

Se você não pesca, você provavelmente consome o pescado, então também pode ajudar a diminuir os impactos da sobrepesca. De que maneira? Bom, primeiro, evite comer algumas espécies ameaçadas de extinção como cação, raia, guaiamum, pirarucu ou atum-azul. Além disso, procure saber de onde veio o pescado que você consome, assim como se o pescador respeitou o período adequado para a pesca. Existem espécies muito saborosas que são produzidas em cativeiro ou não estão ameaçadas de extinção, como tilápia, salmão, camarão, atum-amarelo, ostra e mexilhão.

Juntos, podemos fazer com que a natureza continue a nos fornecer alimento sem transformar nossos mares e rios em desertos sem vida. A natureza e as próximas gerações agradecem!


Tássia Biazon
Cátedra UNESCO para a Sustentabilidade do Oceano
Universidade de São Paulo  

Marcelo Roberto Souto de Melo,
Instituto Oceanográfico,
Universidade de São Paulo.

Matéria publicada em 29.11.2023

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

admin

CONTEÚDO RELACIONADO

Bateria de moedas

Hora de se divertir com experimentos e atividades!

Tem criança no samba!

As escolas de samba mirins são uma alegria a mais no carnaval.