Quando crescer, vou ser… arqueólogo/a marinho/a!

Ilustração Jéssyka Gomes

Já imaginou trabalhar se aventurando no fundo do mar? Isso mesmo, no fundo do mar, procurando e investigando, por exemplo, navios que afundaram! Pois essa profissão existe: estamos falando da arqueologia marinha – área que se dedica a preservar e estudar objetos encontrados nas partes mais profundas dos mares. 

Oceanólogo e professor dos cursos de graduação e pós-graduação em arqueologia da Universidade Federal do Piauí e mestre e doutor em arqueologia pelo Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo, Flávio Calippo revela que a profissão é uma verdadeira viagem no tempo! 

“Na arqueologia, vemos que a compreensão do passado é a melhor forma de entendermos a sociedade em que vivemos. Estudamos naufrágios, porque eles possuem informações sobre as tecnologias, as pessoas, o comércio, as relações sociais, as rotas comerciais, os portos e muitas outras informações sobre o nosso passado”, conta. 

Parece interessante, não é mesmo?! Flávio usa o Brasil para dar um exemplo do que pode ser descoberto por meio da arqueologia marinha: 

“No Brasil, com exceção dos povos indígenas, todos os nossos outros ancestrais utilizaram barcos para chegar até aqui. A arqueologia subaquática [ou marinha] nos ajuda a contar as histórias deles. Como vieram para cá? Em que tipo de embarcação? Por que vieram? O que traziam consigo? Em que condições vieram? De que porto partiram? Em que porto chegaram? Como era a vida dos imigrantes europeus a bordo das embarcações? Quais eram os espaços nas embarcações destinados aos africanos escravizados, roubados de suas famílias e nações, e transportados como carga? Por isso, entendemos que esses naufrágios são uma herança que deve ser preservada para que nunca esqueçamos, como sociedade, de onde viemos, o que passamos e quais foram nossas escolhas”, explica. 

Nosso entrevistado ainda fala sobre como é o seu dia a dia, na prática, além de dar dicas valiosas para quem se animar em seguir a profissão: “É preciso ter curiosidade, determinação e empenho. A curiosidade é o que nos leva a querer pesquisar, a saber como e por que as coisas acontecem. Mas, para investigar, é preciso empenho e determinação. É preciso estudar, escrever projetos, fazer análises em laboratório, produzir relatórios, artigos e, o melhor de tudo, viajar”. 

No dia a dia, Flávio passa a maior parte do tempo na universidade, dando aulas e fazendo pesquisas no laboratório. “Estimamos que só 10% de nosso tempo é dedicado às expedições e às pesquisas em campo. A maior parte do tempo é dedicada à análise, ao estudo e à publicação das análises coletadas e dos resultados produzidos. Por isso, a curiosidade e a determinação são importantes. É no laboratório, estudando, que conseguimos tirar as informações que matam a nossa curiosidade sobre o mar e sobre os naufrágios. É o local em que pensamos também o que vamos fazer – e quais as perguntas vamos responder – nas próximas expedições”. 

E aí, ficou com vontade de desbravar os mares para ajudar a desvendar os segredos do passado?! 

Guto Mariano
Jornalista
Especial para a Ciência Hoje das Crianças 

 

Matéria publicada em 05.12.2022

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

admin

CONTEÚDO RELACIONADO

Quem protege os meros?

Peixes que podem ser maiores do que humanos estão ameaçados de extinção.

Mar, misterioso mar!

Cheio de vida e de surpresas, o oceano mexe com a imaginação da gente.