Ilustração Walter Vasconcelos

A relação dos seres humanos com os peixes é bastante antiga. Antes de conseguir desenvolver técnicas para plantar e colher, e meios de domesticar animais, nossos ancestrais dependiam muito da pesca como fonte de comida. Provavelmente, você já ouviu falar que os peixes são alimentos com alto teor de proteína, vitaminas e diversos nutrientes importantes para a nossa saúde. Mas você sabe de onde vem aquele peixe que sai do supermercado ou da peixaria e vai parar no seu prato? Então vamos falar sobre a profissão de pescador – ou pescadora!

O extenso litoral brasileiro e os grandes rios e seus afluentes sempre favoreceram a pesca no nosso país – na lista dos maiores rios do mundo temos dois entre os dez primeiros: o rio Amazonas e o rio Paraná. Trabalhando há 38 anos como pescador artesanal em Arraial do Cabo (RJ), José Antônio Freitas contou à CHC um pouquinho sobre sua rotina ao longo dos dias.

“Nosso trabalho é constante. Na pesca, dependemos muito do que a natureza nos oferece: se o vento está calmo, se o mar está manso e não muito alto, se não está ventando muito… Muitas vezes, a gente fica um tempão sem pescar por falta de tempo bom. Contudo, não paramos nunca. Quando não estamos no mar por conta do mau tempo, a gente trabalha em terra preparando os aparelhos, consertando alguma coisa que quebrou no barco, planejando como será a próxima pesca e tudo mais”, conta.

A pesca artesanal é responsável por gerar a maior parte dos peixes que nós, brasileiros, consumimos. José Antônio reforça a importância da preservação desse tipo de atividade para nossa sociedade.

“A comida saudável e o pescado na mesa é nosso principal objetivo. Mas, para isso, precisamos manter a tradição da pesca artesanal, que é uma coisa que vem de longa data”, opina.

E como será que nosso entrevistado começou sua carreira? Engana-se quem está pensando que as habilidades da pescaria foram passadas de pai para filho. José diz que a pescaria profissional entrou na vida dele quase por acaso.

“Eu sou o único da minha família que é pescador. Tudo começou numa pescaria por hobby. Eu comecei a me apaixonar pela pescaria. E foi então que passei a juntar o útil ao agradável. Me tornei um pescador profissional assim, sem planejar muito. E já se foram 38 anos nessa função que gosto tanto”, revela.

Preocupado com a manutenção dessa atividade de grande importância, nosso entrevistado chama a atenção para que as próximas gerações fortaleçam e deem continuidade à pescaria, que há muitos anos é essencial para toda a humanidade.

“Não podemos deixar a pesca artesanal acabar. Precisamos propagar cada vez mais essa atividade tão importante para nós. Daqui a uns dias, eu vou parar, mas é fundamental que venha outro no meu lugar. Não podemos deixar a pesca artesanal morrer. Faz parte da cultura”, conclui.

E, então, será que pescar é a sua praia também?

Guto Mariano
Jornalista
Especial para a CHC

Matéria publicada em 04.05.2023

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

admin

CONTEÚDO RELACIONADO

Quem protege os meros?

Peixes que podem ser maiores do que humanos estão ameaçados de extinção.

Mar, misterioso mar!

Cheio de vida e de surpresas, o oceano mexe com a imaginação da gente.