Paulo Robson de Souza*

Ilustração Mario Bag

(…)

Com seus olhos semiabertos
para a luz, bico empinado,
Urutau falou, de um galho,
dormindo meio acordado:
– Essa briga é porque o mundo
está desorganizado.

 

– Cada qual com seu papel!
Todos têm o seu valor!
Todos são nobres e sábios.
É bonita toda cor!
Não existe tolerância
quando não existe amor.

 

– Organizando a bagunça:
Buriti pra canindé,
pro pica-pau: bocaiuva;
angico pro caburé.
E pra grande ararauna,
manduvi será chalé.

 

– E se o tronco for o mesmo
disputado por vocês
numa mesma primavera,
é preciso sensatez.
Se não chegou a sua hora,
então, que espere a sua vez.

– Vem, primeiro, o pica-pau;
Em seguida o tronco ampara
a nobre maracanã…
Tantos caberão, tomara:
o tucano, o urubu
e, por fim, a grande arara.

 

– Há lugar para todo mundo:
branco, preto, azul, dourado…
Sempre haverá um cantinho
No ambiente equilibrado.
Há lugar quando, pra todos,
direitos são respeitados.

 

Vendo enfim, que a boba briga
encontrou um bom final,
o tal “pássaro-fantasma”
dos índios, o urutau,
voltou a dormir, esguio,
disfarçando-se de…
pau.

*Paulo Robson de Souza é biólogo, professor da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul e mantém com muito entusiasmo a atividade de escrever contos e poemas. O Urutau é um trecho do cordel Os Reis do Pedaço, publicado no livro Poesia Animal, da Editora UFMS. Para ler este e outros versos, visite O Caçuá do Paulo Robson

Matéria publicada em 11.10.2018

COMENTÁRIOS

  • Anna Elise

    Achei a poesia muito bonita!

    Publicado em 25 de novembro de 2018 Responder

  • Felipe Lorenzo Calvo Barbosa

    Gostei do testo, as a poesias são muito boas.gostei de mais

    Publicado em 21 de agosto de 2020 Responder

Envie um comentário

CONTEÚDO RELACIONADO

Quem protege os meros?

Peixes que podem ser maiores do que humanos estão ameaçados de extinção.

Mar, misterioso mar!

Cheio de vida e de surpresas, o oceano mexe com a imaginação da gente.