O sem-vértebra desconhecido

Paulo Robson de Souza

Ilustração Jaca

Há lesmas, crustáceos, minhocas, vermes
E uma infinidade de outros seres invertebrados
Escondidos dos olhos meus
Nos recônditos do mais profundo dos abismos
Do mar e do subsolo.

Aliás, de nada saberemos desses seres abissais, e
De lulas, esponjas e águas-vivas furtivas, e
De parasitas nos buchos escondidos, e
De pepinos (na lama marinha) plantados, etc. etc.,
(Tantos são)
Enquanto a luz não vencer a escuridão.

 

Paulo Robson de Souza é biólogo, especialista em meio ambiente pela Universidade de São Paulo e pela Universidade Federal de Mato Grosso, onde atua como professor de ciências e biologia. É também escritor e, junto com Sidnei Olívio, escreveu Poesia INvertebral (Julien Design), de onde retiramos este poema.

Matéria publicada em 28.12.2020

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

admin

CONTEÚDO RELACIONADO

Quem protege os meros?

Peixes que podem ser maiores do que humanos estão ameaçados de extinção.

Mar, misterioso mar!

Cheio de vida e de surpresas, o oceano mexe com a imaginação da gente.