Intérprete de Libras!

Ilustração Bruna Assis Brasil

Enquanto uma pessoa fala, outra pessoa ouve atentamente o que ela diz, compreende a mensagem e a transmite, em outra língua, ao mesmo tempo em que continua ouvindo. Isso não é mágica nem superpoder, é o trabalho dos intérpretes, ou tradutores simultâneos! Esses profissionais quebram barreiras de comunicação e tornam possível a compreensão entre pessoas que usam línguas diferentes. Os intérpretes de Libras, por exemplo, intermediam a comunicação da pessoa com surdez, usuária da Língua Brasileira de Sinais, a Libras. 

“Nossa área de atuação tem se tornado cada dia mais importante para a pessoa que necessita da comunicação através do uso da Libras”, conta a intérprete de Libras Diana Dantas. Quem escolher essa profissão deve se preparar para atuar sob pressão e estudar muito! É um trabalho essencial para a comunicação inclusiva da comunidade surda. Aliás, sabia que, no mundo todo, de cada 100 pessoas, cinco são surdas?

Língua oficial

A Libras foi reconhecida como meio de comunicação e expressão das pessoas surdas em uma lei de 2002. Três anos depois, um decreto estabeleceu os direitos da pessoa surda, entre eles o direito à intermediação de um profissional intérprete de Libras. Recentemente, outra lei (14704/23) regularizou a profissão. “Foi um grande ganho, que contribuiu muito para o crescimento e reconhecimento do profissional”, diz Diana. 

Para começo de conversa, quem deseja trabalhar nessa área deve saber muito bem ambas as línguas, Libras e português. Só assim poderá entender a mensagem original, em uma língua, e passá-la de maneira que faça sentido para a outra língua.

Fazer curso de Libras para conhecer a língua e a cultura surda, participar da comunidade surda e ter contato com falantes nativos da língua é essencial! A formação inclui ainda cursos técnicos de nível médio em tradução e interpretação em Libras, e/ou a graduação em Letras-Libras. “É importante também ter postura ética, porque estamos intermediando várias situações que não devem ser expostas fora do trabalho”, conta Diana. 

Do teatro ao hospital

As possibilidades de atuação são diversas. Os intérpretes de Libras podem intermediar a comunicação para a comunidade surda em peças e shows ou até mesmo em audiências em tribunais, consultas médicas e até partos na maternidade! 

A lei que regulamenta a profissão diz que, a partir de uma hora de serviço, deve haver troca de intérpretes. O revezamento é fundamental para que o cansaço não prejudique a compreensão e a comunicação da mensagem. 

“Amo atuar em ambientes artísticos e culturais, me sinto completa e sempre desafiada a entregar mais e aprender mais”, diz Diana, que se apaixonou pelas Libras depois de fazer um curso na igreja que frequentava. “Fiz amizade com surdos e comecei a atuar como intérprete em escolas da rede estadual. Depois, fui trabalhar no INES (Instituto Nacional de Educação de Surdos) e fui aperfeiçoando meus conhecimentos na língua. Fiz cursos de extensão, prova de capacitação na língua e a graduação em Letras-Libras. Atuo até hoje nesta área em diferentes lugares e situações”, conta.

Em cena

O maior desafio, diz ela, é promover a acessibilidade, ou seja, fazer com que as pessoas que não teriam outra forma de comunicação sem a intermediação dos intérpretes tenham acesso à Libras. Infelizmente, desconhecimento e preconceito ainda são obstáculos para que a profissão seja mais valorizada. “Não roubamos a cena, estamos apenas mediando linguisticamente”, diz Diana. 

Mas teve uma vez que ela entrou, literalmente, em cena. Foi na peça Piracema, feita com base nos conteúdos publicados pela Ciência Hoje das Crianças e realizada pelo Instituto Ciência Hoje! Diana atuou como intérprete de Libras e integrante do elenco.

“Quando era criança tinha um sonho de ser atriz, e, ao crescer, a vida tomou rumos diferentes. Achava que nunca seria possível juntar o sonho de infância com a profissão que escolhi por amor”, lembra. “Estar em cena como integrante do elenco me faz lembrar que os sonhos são possíveis de se realizar, por mais que não seja da forma que planejamos”.

Elisa Martins
Jornalista
Especial para a Ciência Hoje das Crianças

Matéria publicada em 31.01.2024

COMENTÁRIOS

  • Francisco

    Muito interessante

    Publicado em 7 de fevereiro de 2024 Responder

  • João Martins

    Aprendi as libras em 2023 agora è 2024 e eu aprendi todas agora neste ano eu esqueci algumas letras de libras

    Publicado em 12 de fevereiro de 2024 Responder

  • João Martins

    Aprendi muitos as ♎ esse símbolo é o símbolo das libras e eu aprendi muito sobre isso

    Publicado em 12 de fevereiro de 2024 Responder

  • João Martins

    É muito divertido aprender sobre as libras se você também quer aprender sobre as ♎ é só começar do começo

    Publicado em 12 de fevereiro de 2024 Responder

  • ligia

    eu achei legal

    Publicado em 29 de fevereiro de 2024 Responder

  • ANA ELISE

    INTÉRPRETE DE LIBRAS
    Olá, pessoal da CHC. Eu gostei muito que vocês falaram sobre libras, pois com as libras, a convivência com as pessoas surdas e/ou mudas ficou mais fácil para nós e para elas. Pois é muito bom que as pessoas surdas e/ou mudas consigam se expressar e nos entender e nós também possamos nos expressar e entender essas pessoas.
    É muito bom que cada vez mais as pessoas se interessam em aprender e tornem o ensino de Libras uma profissão.
    Um abraço da Ana Elise, de Picos-Piauí.

    Publicado em 4 de junho de 2024 Responder

Envie um comentário

admin

CONTEÚDO RELACIONADO

O voo dos albatrozes

Nossas ações em terra firme podem afetar o destino dessas aves oceânicas

Quem protege os meros?

Peixes que podem ser maiores do que humanos estão ameaçados de extinção.