Detetives planetários

Uma investigação profunda sobre Plutão mostrou muitas novidades, como um vulcão que expele água.

Duas estruturas poderiam ser criovulcões em Plutão. Nesta imagem de Putão obtida pela espaçonave New Horizons da NASA e colorida artificialmente, elas estão dos dois lados.
Foto NASA/Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins (JHUAPL)/Southwest Research Institute (SwRI)

Quando você pensa em cientistas, imagina pessoas de jaleco, cabelos desgrenhados e óculos? Alguns são assim mesmo. Mas há quem trabalhe de bermuda, trance os cabelos, use lentes de contato coloridas… Isso porque cientistas são pessoas de perfis e gostos variados, como quaisquer outras. A única coisa que não pode faltar em quem escolhe ser cientistas é curiosidade, pois é um trabalho movido à investigação, quase coisa de detetive. E foi com essa vontade de descobrir algo novo que a ciência se voltou para Plutão.

Plutão já foi considerado o nono planeta do Sistema Solar, mas foi reclassificado como planeta-anão em 2006. Por ser pequeno e estar muito longe do Sol, pouco se sabia sobre ele. Até que, em 2015, a espaçonave New Horizons sobrevoou Plutão e captou informações extraordinárias, que estão sendo trabalhadas até hoje por cientistas planetários. Vamos pegar uma delas para verificar como é a investigação nesta área da ciência.

Foi analisada uma estrutura quase circular, que muita gente diria que é uma cratera, mas que no planeta-anão é chamada de estrutura Kiladze. Ela tem 44 quilômetros de extensão, e fica em uma área chamada Hayabusa. Uma coisa ali chamou a atenção: ela tem água congelada espalhada ao seu redor.

Considerando que Plutão é um corpo rochoso envolto em uma camada de água e uma mistura de lama e água congeladas, pode ser que Kiladze seja a abertura superficial de um vulcão, algo que chamamos de caldeira. Mas não seria um vulcão que expele lava, como na Terra, e sim um criovulcão, que expele água!

Kiladze é provavelmente um supercriovulcão em Plutão.
Cortesia da missão New Horizons.

Esse tipo de estrutura já foi observada em algumas luas de Júpiter, Saturno, Urano e Netuno. Quando alguma coisa aquece o interior das luas ou dos planetas, o gelo presente em seu interior derrete e chega à superfície, criando estruturas circulares. O próximo mistério para revelar é qual seria a fonte de calor que permitiria descongelamento. Claro que já existem suspeitas, e a principal é a presença de elementos radioativos no interior do planeta-anão, que espalha energia em forma de calor.

Criovulcanismo em Enceladus, uma lua de Saturno.
NASA/JPL-Caltech/Instituto de Ciências Espaciais

Se as suspeitas se confirmarem, Kiladze deve ser a caldeira de um criovulcão que pode ter entrado em erupção por mais de uma vez em Plutão. E mais: é provável que existam outras estruturas deste tipo no ex-planeta.

E aí, trabalho de cientista é ou não é parecido com o de detetives?


eder_molina

Eder Molina
Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas
Universidade de São Paulo

Sou paulista, e já nem lembro quando nasci… Sempre fui curioso sobre o porquê das coisas, e desde criança tinha meu clubinho da ciência. Hoje sou professor de Geofísica e continuo xereta e buscando aprender muitas coisas, principalmente sobre a Terra e o Sistema Solar.

Matéria publicada em 31.01.2024

COMENTÁRIOS

  • Isa Araujo Cintra Sabino

    Oi,sou eu de novo eu amo vocês e ainda mais agora depois dessa revista eu amo ciências e o espaço

    Publicado em 21 de fevereiro de 2024 Responder

Envie um comentário

admin

CONTEÚDO RELACIONADO

Bateria de moedas

Hora de se divertir com experimentos e atividades!

Tem criança no samba!

As escolas de samba mirins são uma alegria a mais no carnaval.