Camuflagem artificial

O polvo é um animal fascinante e, além de seus oito braços, tem outra característica incrível: a camuflagem. Seja para fugir do perigo ou surpreender uma presa, ele é capaz de mudar de cor e se misturar com o ambiente, ficando quase imperceptível. Intrigados com essa habilidade, pesquisadores norte-americanos estudam os polvos para desenvolver tecnologias que imitem sua capacidade de camuflagem.

Com base na capacidade de camuflagem dos polvos, pesquisadores conseguiram criar um material que muda de cor artificialmente. (foto: Morten Brekkevold / Flickr / <a href= https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/2.0/>CC BY-NC-AS 2.0</a>)

Com base na capacidade de camuflagem dos polvos, pesquisadores conseguiram criar um material que muda de cor artificialmente. (foto: Morten Brekkevold / Flickr / CC BY-NC-AS 2.0)

Para isso, a equipe da Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, estudou diversos cefalópodes, classe de animais que engloba o polvo, a lula e os chocos – um molusco parecido com a lula. Com base nesses bichos, os pesquisadores inventaram uma estrutura de três camadas: a superior consegue mudar de cor, a intermediária fornece o impulso para que a mudança aconteça em várias partes e a camada inferior é capaz de medir as cores do ambiente.

Além de promover a camuflagem, o material é flexível e tão fino quanto uma folha de papel. Apesar de muito eficaz, tem uma limitação: a mudança de cor só acontece do preto para o branco. A tendência é que em breve o dispositivo possa lidar com outras cores também. “O polvo nos forneceu a inspiração para criar esses nossos dispositivos”, conta o engenheiro químico e coautor do estudo John Rodgers.

Esse é o dispositivo de camuflagem criado pelos cientistas. Ele mostra as letras iniciais do nome da Universidade de Illinois e, por enquanto, só consegue assumir as cores preta e branca. (foto: J. Rogers / University of Illinois).

Esse é o dispositivo de camuflagem criado pelos cientistas. Ele mostra as letras iniciais do nome da Universidade de Illinois e, por enquanto, só consegue assumir as cores preta e branca. (foto: J. Rogers / University of Illinois).

A pesquisa, que começou há cerca de dois anos, era a princípio para fins militares, mas as descobertas feitas até agora têm chamado a atenção de diversas áreas, desde a moda até a arte. Já pensou usar uma roupa que muda de cor de acordo com a luz do ambiente?

Mas não se afobe! Isso tudo ainda é só uma ideia e ainda não está pronta para ser comercializada. De qualquer modo, as pesquisas sobre a camuflagem do polvo estão caminhando e passos importantes já foram dados.

Assim como nos cefalópodes, as células do material mudam de cor de acordo com a coloração do ambiente. (foto: J. Rogers / University of Illinois).

Assim como nos cefalópodes, as células do material mudam de cor de acordo com a coloração do ambiente. (foto: J. Rogers / University of Illinois).

“Como engenheiro, esse projeto me ensinou a apreciar profundamente o nível técnico e a sofisticação presentes na biologia”, diz Rodgers. “As tecnologias feitas pelo homem são impressionantes, e estão melhorando a todo tempo, mas ainda estão bem longe da complexidade presente nas criaturas encontradas no mundo natural.”

Matéria publicada em 13.10.2014

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

Gabriel Toscano

Gosto de ouvir música, ver filmes, ler livros, viajar e conhecer pessoas diferentes. Estou sempre procurando aprender coisas novas!

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?

Open chat