Vírus alienígenas e a ciência em construção

Em tempos de Pandemia, uma ideia que veio do Espaço.

Ilustração Walter Vasconcelos

Cientistas são chamados por muitos nomes: professores, mestres, doutores e até sabichões! Tenho a impressão de que o termo “pesquisador” ou “pesquisadora” é o mais adequado. Afinal de contas, quem faz ciência pesquisa, e pesquisa muito!, sobre o que ainda não sabemos. Em momentos de muita urgência, como a pandemia de covid-19, o importante trabalho dos e das cientistas fica ainda mais evidente!

Fica evidente também que a ciência não tem respostas prontas e que nunca mudam. É verdade! A ciência está sempre em construção: quando algumas respostas sobre um assunto são encontradas, estas respostas inspiram novas perguntas. E cada área da ciência tem suas particularidades…

A astronomia, por exemplo, é uma ciência com características muito especiais. Dizemos que ela é uma ciência observacional, porque não podemos levar uma estrela para o laboratório, por exemplo. Por isso, ela é feita, basicamente, a partir do que os astrônomos e as astrônomas observam.

Mas será que a astronomia teria algo a dizer sobre vírus e viroses? Um cientista inglês chamado Fred Hoyle – que recebeu reconhecimento entre astrônomos e físicos porque desvendou características fundamentais em estrelas – achou que sim. No início do século 20, ele pensou que vírus poderiam, talvez, ter sua origem no Espaço. Opa! Vírus alienígenas? Por aí…

Na defesa da ideia de que vírus poderiam ser “fabricados” no espaço, Hoyle apresentou algumas evidências, como a capacidade que os vírus têm de surgir em diferentes locais ao mesmo tempo, o que pode acontecer em uma pandemia.

A ideia de Hoyle acabou sendo descartada, isto é, não se comprovou. Mas antes disso ele já tinha ido além daquela ideia. Pensou: se o Espaço tem condições de fabricar vírus, poderia fabricar vida também – claro que nas formas mais simples possíveis.

Pois o tempo passou e hoje os astrônomos já conseguiram observar que o Espaço tem, sim, condições de fabricar coisas mais simples que vírus. Logo, a ideia original de Hoyle constitui ainda tema de discussão e pesquisa. Ou seja, a ciência segue em construção!


Jaime Fernando Villas da Rocha,
Departamento de Física,
Instituto de Biociências,
Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro
Membro do Interdisciplinary Center for the Unknown

Sou astrônomo e, claro, um apaixonado pelos astros – a começar pelo planeta em que vivemos. Este espaço fala de como vemos o Espaço, incluindo a Terra.

Matéria publicada em 15.07.2020

COMENTÁRIOS

  • Djjsjsjsiwkwma

    Meu ovo

    Publicado em 3 de agosto de 2020 Responder

  • ENZO NASCIMENTO DE VASCONCELOS

    OI CHC TUDO BEM,EU GOSTEI MUITO DESSE ARTIGO,TCHAU. ENZO 06/08/2020

    Publicado em 6 de agosto de 2020 Responder

Envie um comentário

admin

CONTEÚDO RELACIONADO

Chá de sumiço

Há tempo para salvar as demais espécies, que têm tanto direito ao planeta quanto nós? Eis a questão!

Como o urso polar se protege do frio?

Com um experimento simples, podemos descobrir como alguns animais – como o urso polar! –, que vivem em temperaturas congelantes, se protegem do frio. Brrrr!!!