Quero saber…

…Se outros planetas do Sistema Solar podem ser habitados por humanos?

O Sistema Solar possui planetas e luas com características muito diferentes. Atualmente, a Terra é o único planeta desse sistema que pode sustentar a vida humana. Os demais planetas ou são muito frios, ou muito quentes, ou sem atmosfera. É verdade que alguns se parecem um pouco mais com a Terra, como é o caso de Marte, que tem muitas semelhanças com nosso planeta.

Os cientistas acreditam que grandes obras de engenharia planetária podem transformar Marte em um planeta possível de ser habitado. Caso isso aconteça no futuro, podem surgir humanos interessados em se mudar para lá.

Outros ambientes no Sistema Solar podem oferecer bases de pesquisa com condições de habitação limitada. A própria Lua pode servir como uma base assim, bem como alguns asteroides ou satélites de Júpiter, como Europa e Ganimedes. Mas estas devem ser bases com redoma de isolamento, um ambiente artificial que cria condições de vida mínimas para a equipe de pesquisa ficar por lá.

Em termos de conquista espacial, provavelmente, haverá também um grande interesse em visitar Titã, porque essa lua de Saturno possui materiais valiosos para a exploração mineral. É preciso considerar também que mesmo não existindo ainda a possibilidade de abrigar vida humana em outros planetas, esse fato não impede que alguns deles tenham outras formas de vida, talvez mais simples, como bactérias e microorganismos. Por isso, a recente descoberta de um lago de água líquida em Marte é tão importante para o estudo da vida no Universo.

 

Helio Rocha-Pinto,
Observatório de Valongo,
Universidade do Rio de Janeiro

 

…Se o jacaré e o crocodilo dormem na água ou na terra?

Responder a esta pergunta pode ser mais difícil do que parece. Jacarés e crocodilos são observados descansando tanto em terra quanto em águas rasas, com metade da cabeça dentro da água e as narinas para fora ou com toda a cabeça debaixo da água, levantando o focinho de tempos em tempos para respirar. Mas, não é fácil ter certeza se esses animais estão realmente dormindo ou se estão acordados e quietinhos. Para isso, são necessários exames que medem a atividade do cérebro, o que é bem trabalhoso de ser feito no caso de animais grandes. Além disso, jacarés e crocodilos são ectotérmicos, ou seja, precisam regular sua temperatura em relação à temperatura do ambiente. Quando está frio, estes animais ficam mais tempo em repouso, sendo ainda mais difícil saber se estão ou não dormindo.

Embora o cochilo dos jacarés e crocodilos seja bom para a saúde desses animais, ao dormir, eles podem também ser presas fáceis aos ataques dos predadores (na fase filhote podem ser alvo de grandes pássaros e piranhas, por exemplo; quando adultos, não há muitos predadores por conta do couro duro, mas cobras como a sucuri e a jiboia conseguem atacá-los). Aqui cabe uma supercuriosidade!Os pesquisadores observaram e estão quase certos de que esses répteis têm uma habilidade impressionante, que poderia evitar os riscos com os predadores: filhotes de uma espécie de crocodilo australiano têm a capacidade de dormir com um dos olhos aberto e o outro fechado, indicando um fenômeno conhecido como sono uni-hemisférico. Nesse tipo de sono, apenas metade do cérebro do animal dorme, enquanto a outra metade do cérebro continua vigilante e atenta ao ambiente por meio do olho aberto ao qual está conectada. Desse modo, esses crocodilos poderiam ficar de olho no ambiente ao redor enquanto tiram uma soneca parcial, facilitando sua fuga caso algum inimigo apareça ou para achar alimentos em ambientes com pouco oferta de comida.

 

Manoela Cardoso,Pedro Pinna e Paulo Passos
Setor de Herpetologia,
Museu Nacional/Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Matéria publicada em 09.10.2018

COMENTÁRIOS

  • Anna Elise

    Gostei de aprender mais sobre o sistema solar e os crocodilos e jacarés!

    Publicado em 1 de dezembro de 2018 Responder

Envie um comentário

admin

CONTEÚDO RELACIONADO

A cidade secreta dos cupins

Cientistas descobrem cupinzeiros gigantes no nordeste brasileiro

O bravo nadador que virou história de pescador

Ele tem um hábito curioso: sobe o rio nadando contra a correnteza. Costumava ser comum em São Paulo, mas nunca mais foi visto por lá. Parece que já anda sumido também de outras regiões do Brasil, virando história de pescador... Quem será ele?