Auto de Bumba meu boi

Ilustração Cris Eich

*Maria Firmina dos Reis

Nós viemos tirar licença
Que nosso amo mandou;
Ele ficou na cancela
Com o boizinho brincador.

Senhora dona de casa,
Nos responda, por favor
Queremos levar a nova
Pra meu amo brincador!

Lá vem a aurora,
Lá vem o dia,
Lá vem Caramba
Que nós queria.

Lá vem a aurora,
Rompendo o mangue,
Vejo Caramba,
Nos foge o sangue.

Chegou!!!
Ou já chegou
O boi Caramba
Com ‘seus olho matadô’.
Ou chegou!!!
Nosso boi Caramba
Com ‘seus olho matadô’.

‘Strela d’Alva
Amanheceu,
Caramba pulou na roda
Passarinho estremeceu!

Adeus, roseira,
Adeus, rosá [rosal],
Todo mundo cheira o cravo,
Eu também quero ‘cheirá’ [cheirar]!

 

Senhora dona de casa,
Eu também sou fumador,
Pois a ponta que eu trazia
Caiu n’água e se molhou.

 

Adeus, roseira,
Adeus, rosá [rosal],
Todo mundo cheira o cravo,
Eu também quero cheirá [cheirar]!

*Maria Firmina dos Reis foi professora, escritora e compositora. O Auto do bumba meu boi é uma dança tradicional do boi do Maranhão, onde a autora nasceu, em 1822. Ela compôs letra e música, que foi recolhida pelo jornalista maranhense José Nascimento Morais Filho. Alguns trechos foram colocados em ‘aspas’ para que você perceba que foram propositalmente escritos na forma como se falava.

Matéria publicada em 24.05.2019

COMENTÁRIOS

  • Ana Júlia Leonel de Freitas Alves

    divertido e legal é aminha preferida

    Publicado em 6 de outubro de 2020 Responder

Envie um comentário

admin

CONTEÚDO RELACIONADO

Cateretê

Dança tradicional (domínio público)

Bala que se transforma

A ciência costuma dar nomes engraçados para as coisas. Na mistura de água com açúcar, o açúcar é chamado soluto e a água, solvente.