Transmissão de pensamento

Já imaginou ter o poder de controlar o cérebro de outra pessoa? Isso parece coisa de ficção científica. Mas já é realidade! Cientistas norte-americanos conseguiram esta façanha: em experimento inédito, um pesquisador controlou o braço de seu colega pela transmissão de pensamento.

O cientista Andrea Stocco moveu a mão direita sob o comando enviado pelo cérebro do colega Rajesh Rao (Foto: Universidade de Washington)

O cientista Andrea Stocco moveu a mão direita sob o comando enviado pelo cérebro do colega Rajesh Rao (Foto: Universidade de Washington)

Os envolvidos no experimento eram os cientistas Rajesh Rao e Andrea Stocco, da Universidade de Washington, nos Estados Unidos. A missão de Rajesh era jogar um joguinho de computador em que um navio pirata bombardeava uma cidade. Para salvar a cidade, ele tinha que apertar a tecla enter, que disparava um canhão.

O detalhe importante é que, para apertar o teclado, Rajesh não usou própria mão, e sim a de Andrea, que estava em outra sala. O que ele fez foi pensar que movia sua mão e esse pensamento foi transmitido para o cérebro de seu amigo, que então apertou a tecla enter mesmo sem querer.

“Senti meu dedo se movendo sem que eu tivesse consciência disso, foi como um tique nervoso”, descreve Andrea Stocco. Parece mágica, mas é ciência. Para que o comando de mover a mão chegasse até o cérebro de Andrea, ele e seu colega precisaram de alguns equipamentos.

Rajesh usou uma touca com eletrodos ligados a uma máquina de eletroencefalograma – o nome é complicado, mas é somente um aparelho que capta os sinais elétricos que nosso cérebro produz quando pensamos. Já Andrea tinha um dispositivo de estímulo magnético acoplado à sua cabeça.

Quando Rajesh pensou em apertar o botão, a máquina de eletroencefalograma captou os sinais de seu cérebro, que foram transmitidos por internet sem fio até o dispositivo na cabeça de seu amigo. O dispositivo, por sua vez, enviou os sinais recebidos para o cérebro de Andrea, que obedeceu e acionou os músculos para que sua mão se movesse. Veja:

Para que o experimento desse certo, foram necessários anos de preparação. Os pesquisadores usaram esse tempo para saber, por exemplo, qual o melhor lugar da cabeça para colocar o dispositivo de estímulo magnético. Se ele tivesse sido colocado no lugar errado, o resultado poderia ter sido outro – Andrea poderia ter movido a outra mão ou até o pé!

Tudo isso parece incrível, mas os pesquisadores avisam: ainda estamos muito longe de transmitir pensamentos mais complexos. Isso quer dizer que nem tão cedo você vai conseguir conversar com alguém usando só sua mente!

Matéria publicada em 30.09.2013

COMENTÁRIOS

  • Mikaelly

    Mano que coisa extraordinária, vc ver como a unanimidade está evoluindo. Queria muito botar essas coisa em prática, só que eu ainda estou no 6° ano TwT

    Publicado em 20 de julho de 2020 Responder

Sofia Moutinho

Curiosidade é meu lema! Desde pequena busco respostas para as perguntas mais intrigantes. Melhor que estar por dentro da ciência, só compartilhar com vocês esse conhecimento!

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?