Tesouros do castelo

Ao longo dos seus 105 anos, a Fiocruz reuniu milhares de insetos, bactérias e vermes para que eles fossem estudados pelos cientistas. Hoje, a instituição conta com uma coleção composta por cerca de 800 mil insetos e ácaros, quatro mil caixas com vários exemplares de caramujos de água doce, cinco mil amostras de bactérias e ainda algo que só ela possui em toda a América Latina: 33 mil amostras de vermes.

Crianças observam a réplica de uma molécula de DNA no Museu da Vida (foto: Museu da Vida/COC/Fiocruz)

Mas você pode perguntar: “para que guardar tudo isso, se todos esses seres provocam doenças?”. Bem, é justamente por eles serem uma ameaça à nossa saúde que os pesquisadores os colecionam. Por meio do estudo desses organismos, os cientistas podem descobrir como as doenças são transmitidas ao homem e também tentar desenvolver um remédio ou uma vacina capaz de combatê-las. Os cientistas da Fiocruz, por exemplo, foram os primeiros do país a identificar o vírus da dengue, o que permitiu a criação de testes para diagnosticar a doença.

Quer conhecer esse universo da ciência? Então, fique sabendo que a Fiocruz tem o Museu da Vida, no Rio de Janeiro. É um lugar alegre e colorido , onde você tem a oportunidade de conhecer todos os cantos da fundação andando em um trenzinho. Além de participar de atividades e assistir a peças teatrais que contam a história da ciência, você ainda conhece quatros espaços muito interessantes. São eles: o Espaço Biodescoberta, o Parque da Ciência, o Ciência em Cena e o próprio Castelo Mourisco.

No Espaço Biodescoberta, há uma exposição permanente que mostra o que a ciência sabe sobre a vida dos animais, ou seja, como nascem, morrem e o que comem. Lá você encontra um aquário, um formigueiro, um mosquitário e uma célula vegetal gigante, feita de aço e plástico, que pode visitar por dentro. O Parque da Ciência, por sua vez, é um grande espaço ao ar livre que tem equipamentos para realizar experimentos científicos. Ali há, por exemplo, uma câmera escura, onde é possível experimentar a sensação de estar dentro do olho humano, vendo como as imagens se formam!

Acima, uma das atrações do Museu da Vida: uma célula gigante! (foto: Aline Pereira)

Já no espaço Ciência em Cena, há um cine-teatro que apresenta vídeos, peças teatrais e muito mais para mostrar como a ciência está presente na vida das pessoas. Por fim, mas não menos importante, está a visita ao interior do Castelo Mourisco. Você vai se encantar com a beleza dessa construção e ainda ficar por dentro de todas as suas histórias. Sabia, por exemplo, que assim que o prédio foi erguido, muitos cientistas chegavam de barco para trabalhar, já que existiam muitos mangues por perto?

Para quem gosta de ciência e quer descobrir como os cientistas trabalham nos seus laboratórios, vale a pena visitar a Fundação Oswaldo Cruz. De terça a sexta-feira, as visitas precisam ser agendadas, mas, nos finais de semana, a entrada é livre e com entrada gratuita. Para saber mais sobre a fundação, basta acessar www.fiocruz.br ou ainda www.museudavida.fiocruz.br. Confira!

Museu da Vida – Fundação Oswaldo Cruz
Av. Brasil, 4365 – Manguinhos – Rio de Janeiro/RJ.
Funciona de terça a sexta de 9h às 16h30, sábados e domingos de 10h às 16h.
A visitação é aberta ao público, mas para agendar uma visita com seu grupo da escola, é só telefonar para (21) 2590-6747.

Matéria publicada em 29.06.2005

COMENTÁRIOS

Mario-Cesar-Filho

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?