Terra roxa

“A Terra é azul”, disse emocionado o astronauta russo Yuri Gagarin, em 1961. Ele foi o primeiro homem fazer uma viagem espacial e ver nosso planeta lá de longe. Mas um estudo divulgado recentemente trouxe uma informação para lá de curiosa: se hoje a Terra é azul, antigamente ela pode ter sido púrpura! Já imaginou?

Segundo a maioria dos geólogos, a idade da Terra é de provavelmente 4,5 bilhões de anos. Há 3,8 bilhões de anos, cientistas acreditam que ela podia ter coloração púrpura, em vez do azul que estamos acostumados a ver. (imagem: Adaptado de Nasa / Wikimedia Commons)

Segundo a maioria dos geólogos, a idade da Terra é de provavelmente 4,5 bilhões de anos. Há 3,8 bilhões de anos, cientistas acreditam que ela podia ter coloração púrpura, em vez do azul que estamos acostumados a ver. (imagem: Adaptado de Nasa / Wikimedia Commons)

A hipótese de uma Terra púrpura veio à tona com os estudos do astrofísico espanhol Enric Pallé. Ele e sua equipe decidiram analisar como era o nosso planeta há três bilhões de anos.

Naquela época – tanto nos continentes quanto nos oceanos – bactérias eram a forma de vida predominante por aqui. Mais precisamente, bactérias primitivas cujo metabolismo era dependente de uma substância chamada retinal, que tem a cor púrpura. Como as tais bactérias estavam por todos os lados, alguns cientistas supõem que o planeta, se visto do espaço, também acabava ficando com essa mesma cor.

A tal substância arroxeada era usada pelas bactérias para a realização de um processo semelhante à fotossíntese das plantas atuais. Porém, em vez de usar a clorofila, que é esverdeada, as bactérias usavam retinal. Os outros ingredientes da fotossíntese, água e gás carbônico, eram substituídos por ácido sulfídrico e enxofre, abundantes na Terra primitiva.

O azul do céu é resultado da interação da luz com o oxigênio e com o nitrogênio, muito abundantes em nossa atmosfera. O mar – que ocupa a maior parte da superfície terrestre – reflete essa cor, e é por isso que, do espaço, vemos a Terra como predominantemente azul. (imagem: Nasa / Wikimedia Commons)

O azul do céu é resultado da interação da luz com o oxigênio e com o nitrogênio, abundantes em nossa atmosfera. O mar – que ocupa a maior parte da superfície terrestre – reflete essa cor, e é por isso que, do espaço, vemos a Terra azul. (imagem: Nasa / Wikimedia Commons)

Uma das coisas mais legais desse estudo é justamente pensar como os organismos que viveram aqui poderiam até mesmo modificar a aparência do planeta. “A Terra tem sido habitada por pelo menos 3,8 bilhões de anos, e sua aparência mudou ao longo do tempo”, escreve Enric.

Além de matar a curiosidade, entender o passado da vida na Terra é fundamental para os cientistas que buscam sinais de vida em outros planetas. “Esses estudos nos lembram que há condições de sobrevivência que não são dependentes necessariamente de oxigênio, por exemplo”, comenta o astrofísico Carlos Alexandre Wuensche, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. Quem sabe não há outro planeta púrpura perdido no espaço?

Matéria publicada em 01.05.2014

COMENTÁRIOS

Henrique-Kugler

Adoro viajar e fotografar. Conhecer músicas de diferentes lugares do mundo é meu passatempo favorito. Ah, e adoro comer chocolate e tomar chimarrão – uma espécie de chá de erva-mate, planta típica do sul do Brasil.

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?