Solução florida

Jararaca, boca-de-sapo e caiçaca são temidas serpentes da região Centro-Oeste brasileira. Já pensou levar uma mordida? Deve doer muito! Para piorar as coisas, o veneno delas pode causar graves problemas.

A jararaca (<i>Bothrops jararaca</i>) é uma das mais temidas serpentes do Brasil. (Foto: Fernando Tatagiba / Wikimedia Commons)

A jararaca (Bothrops jararaca) é uma das mais temidas serpentes do Brasil. (Foto: Fernando Tatagiba / Wikimedia Commons)

Mas os habitantes nativos do interior do Brasil têm um segredo. Há gerações, eles usam a casca do ipê-amarelo (Tabebuia aurea), árvore comum no Pantanal, como antídoto para o veneno.

Na casca do ipê-amarelo, cientistas confirmaram que existe um antídoto que pode aliviar a barra de quem foi mordido por algumas cobras venenosas. Mas atenção: o antídoto não está em qualquer ipê-amarelo; somente naquele que cresce em determinadas regiões do Pantanal. (Foto: João Medeiros / Wikimedia Commons)

Na casca do ipê-amarelo, cientistas confirmaram que existe um antídoto que pode aliviar a barra de quem foi mordido por algumas cobras venenosas. Mas atenção: o antídoto não está em qualquer ipê-amarelo; somente naquele que cresce em determinadas regiões do Pantanal. (Foto: João Medeiros / Wikimedia Commons)

Segundo o pessoal da região, a planta é muito eficiente para aliviar os problemas causados pela mordida das cobras. E falam disso com tanta certeza que um grupo de cientistas resolveu investigar.

Mônica Cristina Toffoli Kadri, da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, coordenou um estudo para testar as propriedades da casca do ipê-amarelo e confirmou que ela pode agir como anti-inflamatório e cicatrizante. Uma mão na roda para quem for atacado pelas serpentes do gênero Bothrops, como jararaca (Bothrops jararaca), boca-de-sapo (Bothrops neuwiedi) e caiçaca (Bothrops moojeni).

“Os resultados dos experimentos são muito promissores”, disse Mônica à CHC. Em camundongos, todos os testes apontaram para uma melhora significativa dos animais tratados com o composto.

É claro que a notícia é boa, mas ainda poderá levar muito tempo – pelo menos uns dez anos – até que seja disponibilizado no mercado um medicamento que use a casca do ipê-amarelo para tratar mordidas de cobras. Os pesquisadores precisam testar se a substância é mesmo segura para utilizar em seres humanos. E é bom que testem direitinho, certo?

Caiçaca (<i>Bothrops moojeni</i>), outra espécie temida por suas mordidas. (Foto: Vincent Kurt Lo / Wikimedia Commons)

Caiçaca (Bothrops moojeni), outra espécie temida por suas mordidas. (Foto: Vincent Kurt Lo / Wikimedia Commons)

Cuidado com a cobra!

No Brasil, as serpentes do gênero Bothrops são responsáveis por mais de 80% dos acidentes ofídicos – nome que os cientistas usam para se referir a “mordidas de cobras”. É no Centro-Oeste que ocorre a maior parte dos casos: Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás…

Acidentes em áreas rurais são bastante comuns, mas há cada vez mais casos em áreas urbanas também. Caso você um dia passe por uma situação assim, anote o que deve fazer:

* Lavar o local da picada com apenas água e sabão;
* Buscar atendimento médico o mais rápido possível;
* A vítima deve ser mantida deitada, calma, consciente e hidratada;
* Tirar anéis, pulseiras e sapatos para evitar lesões após o inchaço;
* Não fazer torniquetes ou garrotes; não cortar nem perfurar o local da picada; não colocar folhas, pó de café ou qualquer outro produto no ferimento;
* Se possível, levar o animal para identificação – isso pode auxiliar o médico que ficará responsável pelo tratamento.

Matéria publicada em 03.04.2014

COMENTÁRIOS

Henrique-Kugler

Adoro viajar e fotografar. Conhecer músicas de diferentes lugares do mundo é meu passatempo favorito. Ah, e adoro comer chocolate e tomar chimarrão – uma espécie de chá de erva-mate, planta típica do sul do Brasil.

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?