Samba viral

Após dias de expedição pela selva amazônica e pelo rio Negro, que cruza a região, cientistas finalmente encontraram o que tanto buscavam: um exemplar de vírus gigante. Acanthamoeba polyphaga mimivirus, apelidado de Samba, é o maior vírus já encontrado no Brasil.

No microscópio, um vírus gigante! (foto: Divulgação)

No microscópio, um vírus gigante! (foto: Divulgação)

Vírus – você deve ter lido na CHC 245 – causam uma grande variedade de doenças, desde gripes até dengue, e não só nos humanos, mas também nos animais, plantas e até bactérias. Eles são muito diversificados, e podem ter formatos e tamanhos completamente distintos.

Para você ter uma ideia, o vírus da dengue tem apenas 50 nanômetros de diâmetro, enquanto o Samba, um verdadeiro peso-pesado, mede 600 nanômetros de uma extremidade à outra! “É como se comparássemos o tamanho de um ser humano com o de um seismossauro, um dos maiores dinossauros que já existiram”, sugere o virologista Jônatas Abrahão, da Universidade Federal de Minas Gerais.

O Samba mede 600 nanômetros de diâmetro – para um vírus, é muita coisa! Um nanômetro é a distância que temos quando dividimos um centímetro em dez milhões de pedacinhos. Para você ter uma ideia: a comparação do tamanho da Lua com o tamanho de uma moeda de um centavo é aproximadamente a mesma que a comparação entre o tamanho de uma bola de futebol e o tamanho de um nanômetro. (foto: Divulgação)

O Samba mede 600 nanômetros de diâmetro – para um vírus, é muita coisa! Um nanômetro é a distância que temos quando dividimos um centímetro em dez milhões de pedacinhos. Para você ter uma ideia: a comparação do tamanho da Lua com o tamanho de uma moeda de um centavo é aproximadamente a mesma que a comparação entre o tamanho de uma bola de futebol e o tamanho de um nanômetro. (foto: Divulgação)

Geralmente, os cientistas consideram vírus gigantes aqueles com mais de 200 nanômetros de diâmetro. “O maior vírus que já observamos é o Pithovirus sibericum, que tem 1500 nanômetros”, conta o pesquisador. Mas ainda não se sabe muito sobre esses seres: os primeiros vírus gigantes foram identificados em 2003 e, até hoje, foram coletadas apenas cerca de 100 amostras deles.

Quanto ao Samba, apesar de ter sido coletado em 2011, somente agora teve sua descoberta anunciada, e ainda não se sabe que tipo de doenças pode causar. “Ainda é cedo para dizer, mas suspeitamos que ele pode causar pneumonia em seres humanos”, explica Jônatas. Seu principal hospedeiro, no entanto, são amebas, especialmente as da espécie Acanthamoeba polyphaga.

Foi em amostras de água do rio Negro, coletadas pertinho de Manaus (AM), que cientistas descobriram o Samba, o maior vírus já encontrado no Brasil. (foto: Divulgação)

Foi em amostras de água do rio Negro, coletadas pertinho de Manaus (AM), que cientistas descobriram o Samba, o maior vírus já encontrado no Brasil. (foto: Divulgação)

Outro fato curioso é que, de tão grandes, esses vírus podem ser infectados por outros vírus menores – neste caso específico, o Sputnik virus. Os cientistas acreditam que a interação entre o Samba, o vírus menor e a ameba pode ser muito importante para o equilíbrio do ecossistema onde eles estão presentes.

A explicação é simples: o vírus pequenino, ao infectar o Samba, evita que sua população cresça demais. O Samba, por sua vez, controla o crescimento populacional das amebas. E elas, por serem comedoras vorazes de bactérias, exercem importante papel para a manutenção do equilíbrio natural.

Matéria publicada em 09.06.2014

COMENTÁRIOS

Henrique-Kugler

Adoro viajar e fotografar. Conhecer músicas de diferentes lugares do mundo é meu passatempo favorito. Ah, e adoro comer chocolate e tomar chimarrão – uma espécie de chá de erva-mate, planta típica do sul do Brasil.

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?