Notícias de um mundo distante

No alto, você vê uma imagem de Titã, a maior lua de Saturno, feita pela nave Voyager na década de 1980. Logo abaixo, aparece o planeta dos anéis, fotografado pela Cassini em abril do ano passado(fotos: NASA/JPL/Space Science Institute).

Saturno, todo mundo conhece, é o planeta dos anéis! Mas será que você já ouviu falar de Titã? Esse é o nome da maior das 33 luas que giram em torno do planeta! Em tamanho, ela supera Mercúrio e Plutão e atrai a atenção dos cientistas porque é um dos poucos satélites em nosso sistema solar que possui atmosfera, ou seja, é envolto por uma camada de gases!

No dia 14 de janeiro, Titã recebeu uma visita muito especial. Nessa data, depois de uma viagem de sete anos a bordo da nave espacial Cassini, a sonda espacial européia Huygens atravessou a atmosfera do satélite e aterrizou com sucesso na superfície da maior lua de Saturno. Um motivo e tanto para comemorar: pela primeira vez, um equipamento desse tipo, construído pelo homem, chegava a um lugar tão distante, localizado a um bilhão e meio de quilômetros do Sol!

Lançada da Cassini no dia 24 de dezembro de 2004, a Huygens levou 20 dias para alcançar Titã. A sonda percorreu nada mais, nada menos do que quatro milhões de quilômetros até seu destino e começou sua descida de pára-quedas rumo à superfície do satélite – que durou duas horas e meia! – de uma altitude de 1.270 quilômetros!

Mas por que enviar a sonda para Titã? O estudo dessa lua promete revelar muito sobre a formação dos planetas e talvez sobre os primeiros dias de existência da Terra. A atmosfera de Titã e sua superfície podem ter compostos químicos do tipo que existiram em nosso planeta na época de seu surgimento. Além disso, com a Huygens tocando o solo do satélite, os cientistas poderiam saber, finalmente, o que havia ali, algo que eles não são capazes de observar da Terra, por conta da espessa atmosfera de Titã!

À esquerda, o desenho mostra a Huygens descendo de pára-quedas na superfície de Titã. À direita, está uma das primeiras fotos do solo do satélite enviadas pela sonda espacial à Terra. Ilustração: Craig Attebery, ESA, NASA. Foto: ESA/NASA/Universidade do Arizona.

Durante sua descida, a Huygens começou a transmitir dados para a Cassini e continuou a passá-los por mais de 90 minutos depois do seu pouso. As fotos, os sons e todos os outros registros enviados pela sonda prometem deixar os cientistas ocupados por anos! Uma das imagens mostra, por exemplo, uma paisagem alaranjada: o local de pouso da sonda, repleto de pequenas pedras, arredondadas e lisas como as pedras de rios da Terra. Mas há muitos outros registros da superfície de Titã: a sonda Huygens fez muitas imagens e até registrou que a maior lua de Saturno é… um lugar barulhento!

Pois é. Por conta da espessa atmosfera que o satélite possui, as ondas sonoras, ali, são capazes de se propagar. Assim, microfones a bordo da Huygens gravaram, durante a descida da sonda, o som do vento. Um exemplo do que um viajante que porventura estivesse junto com a Huygens iria ouvir ao chegar à maior lua de Saturno! Clique aqui e escute você também.

A Huygens também enviou à Terra dados sobre a temperatura, a pressão atmosférica e a velocidade dos ventos em Titã. Essas informações foram colhidas de pontos diferentes, que vão do topo da atmosfera da maior lua de Saturno até o seu solo. E por falar nele… Segundo informações passadas por um dos equipamentos da sonda, parece que o solo de Titã tem a consistência de areia molhada ou argila, sendo coberto por uma fina crosta… ou algo semelhante! Os cientistas ainda estão analisando os dados para chegar a uma conclusão. Mas de algo eles já têm certeza: há muito a descobrir sobre a maior lua de Saturno a partir das informações colhidas pela sonda espacial européia. Portanto, fique ligado porque novidades sobre Titã vêm por aí!

Matéria publicada em 18.01.2005

COMENTÁRIOS

Mara Figueira

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?