Muito além do açúcar

Chiclete
É feito de goma base artificial: uma mistura complexa de ingredientes químicos com nomes bem complicados – elastômeros e plasticizantes –, além de minerais e outros componentes. Os elastômeros dão elasticidade e textura ao doce. Os plasticizantes amaciam e, junto com os minerais, tornam a mistura homogênea. Há ainda, no chiclete, xarope de glicose – um tipo de açúcar –, aromatizantes – substâncias que, como o próprio nome diz, dão aroma ao produto –, corantes – os responsáveis por dar cor ao chiclete – e adoçantes – para os que são feitos sem açúcar (clique aqui e descubra se engolir chiclete, por sua composição, é perigoso ou não).

Delicado
Tem como ingredientes básicos açúcar, xarope de milho e amido. Apresenta também aromatizantes e corantes artificiais, além de componentes, digamos, mais curiosos, como cera de abelha e de carnaúba – um tipo de palmeira comum no Nordeste do Brasil –, além de sal.

Por incrível que pareça, a adição de sal é comum na fabricação de vários tipos de bolos e doces. Isso porque o sal combate com mais intensidade os sabores ruins, como o amargo, do que os bons, como o doce. Assim, o sal adicionado em pequenas quantidades pode realçar o sabor doce dos alimentos. A cera, por sua vez, evita a formação de bolhas no interior da massa. Ela também é a responsável pelo brilho característico do delicado.

Para produzir delicados, o açúcar e os outros ingredientes são aquecidos em um grande tacho. Um xarope é formado e cozido em uma temperatura adequada até atingir a consistência desejada. Ele é, então, despejado sobre tabuleiros, que contêm uma camada de amido com dezenas de pequenos buracos com o formato das balas. Ali, o xarope endurece, dando origem aos doces. O próximo passo é adicionar o açúcar. Com o auxílio de um tambor que gira, ele adere à bala e forma uma fina casca.

Jujuba
Também conhecida como bala de goma, é um doce simples. Leva açúcar, gelatina, corante, aromatizante e açúcar cristal. A gelatina é dissolvida em água com açúcar. Essa mistura é fervida por 15 minutos até engrossar. A massa, então, é jogada sobre um tabuleiro untado, que contém buracos redondos no formato de bala. Depois de esfriar, ela é retirada da fôrma e polvilhada com açúcar cristal.

Balas mastigáveis
Na sua receita, entram ingredientes comuns aos outros doces, como açúcar, xarope de glicose, amido e gelatina, entre outros. Mas você sabia que, atualmente, algumas balas mastigáveis estão sendo fabricadas com goma gelana – uma substância produzida pela bactéria Pseudomonas elodea?

As balas macias apresentam composição semelhante à das balas duras. Porém, para se tornarem mastigáveis, a receita leva gorduras. A massa ainda é esticada após o cozimento até que se chegue à consistência desejada. Além disso, podem ser adicionados a ela ingredientes como gelatina e resinas retiradas de vegetais, que deixam o doce mais difícil de dissolver e fácil de mastigar.

Matéria publicada em 22.06.2010

COMENTÁRIOS

  • Pedro Henrique Navero

    Eu não vou comer as balas que tem corante

    Publicado em 11 de junho de 2020 Responder

  • Maria Rosa Z,S. de Pietri

    Agora a minha mãe não deixa mais eu comer bala.

    Publicado em 12 de junho de 2020 Responder

  • matheus

    eu não como muita bala nem chiclete agora que eu sei eu vou comer menos ainda.

    Publicado em 14 de junho de 2020 Responder

Joab Trajano Silva

Desde criança, o autor da coluna No laboratório do Sr. Q pensava em ser biólogo. Mas, enquanto cursava a faculdade, descobriu que precisava de conhecimentos químicos para entender como os seres vivos funcionam. Juntou as duas coisas e foi ser bioquímico.

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?