Brincar de fotografar

Se você curte a natureza, o que acha de fotografá-la? Saiba que pode ser bem fácil! Basta uma câmera digital simples, curiosidade pelos hábitos dos animais e atenção às formas e cores do meio ambiente. Quem ensina é o fotógrafo Luiz Claudio Marigo, que acaba de lançar o livro Fotografia de natureza: teoria e prática.

O tatu-canastra é um bicho noturno e arisco. Para fotografá-lo, Luiz Claudio Marigo acordava às três da madrugada e saía de carro pelo Parque Nacional das Emas, em Goiás. Foram nessários vários dias até encontar esse mamífero (fotos: Luiz Claudio Marigo).

Marigo ainda era criança quando decidiu se aventurar no mundo natural para conhecer de pertinho as plantas e os bichos. Agora, em seu livro, dá dicas para aqueles que têm vontade de lançar seus flashes sobre esse mundo verde e de várias outras cores. Para crianças como você, a primeira sugestão do fotógrafo é: ande na natureza e descubra do que mais gosta. Será que é registrar paisagens? Bichos? Ou plantas?

Esta foi uma das fotografias que Marigo fez ao voar por mais de cem horas sobre a Floresta Amazônica em um teco-teco.

Observador da natureza

Não, você não precisa saber mexer naquelas câmeras supercomplicadas, cheias de botões, para tirar fotos bonitas. Marigo lembra que o mais importante é usar a criatividade e, claro, apreciar o mundo dos animais, seus hábitos e suas características. “Para aprender é preciso observar”, aconselha. “O mais importante não é a técnica, porque a tecnologia muda. O que não muda é a boa fotografia.”

 

Para começar, você pode fotografar o seu bichinho de estimação, dentro de casa mesmo, para depois arriscar fotos de paisagens e de outros animais. As formas das plantas também podem dar uma imagem legal, já que existem plantas de diferentes tamanhos e contornos. E não se esqueça das luzes e cores que a natureza pode emprestar à sua foto. Experimente, por exemplo, fotografar em diferentes horários. A luz muda ao longo do dia e, com ela, a sua foto também!

O segredo para fotografar borboletas é se aproximar devagar, sem movimentos bruscos, ou esperá-las perto das flores, onde esses insetos se alimentam de néctar. Concentradas na refeição, elas permitem que o fotógrafo chegue bem perto!

Álbum de fotos
Confira imagens do livro Fotografia de natureza: teoria e prática

Matéria publicada em 12.08.2010

COMENTÁRIOS

Carolina Drago

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?