Brasil no continente gelado

Extra, extra: equipe de brasileiros entra numa fria! Calma, ninguém se meteu em confusão. Esses corajosos cientistas enfrentaram baixas temperaturas e outros desafios para instalar o primeiro módulo científico brasileiro no interior da Antártica. Batizado de Criosfera 1, o módulo é formado por aparelhos com alta tecnologia e tem a função de estudar como a poluição gerada pela América do Sul e outras regiões influencia no clima do continente gelado.

Além do frio, a falta de água era uma das maiores dificuldades enfrentadas pelos pesquisadores (Foto: Marcelo Arevalo/CECS/Chile)

Os equipamentos funcionam sozinhos ou são operados por controle remoto aqui do Brasil. Durante o verão, usam energia gerada a partir da luz do sol, enquanto, no inverno, são movidos pela energia do vento. “Eles são capazes de registrar a temperatura, a velocidade do vento e até a concentração de poluentes como o gás carbônico ao longo do ano, enviando essas informações para os cientistas no Brasil”, conta o glaciólogo – especialista em gelo e neve – que lidera a pesquisa, Jefferson Simões, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Há quase 30 anos, pesquisadores brasileiros fundaram uma base científica na Península Antártica (ponto 1, em amarelo). Agora, a inauguração do Criosfera 1 (ponto 2, em azul) representa o primeiro módulo brasileiro no interior do continente gelado e fica pertinho do Pólo Sul Geográfico (PSG) (Imagem cedida pelo pesquisador)

Para completar a missão de instalar o Criosfera 1, os pesquisadores tiveram que dar duro em meio ao gelo. Depois de 11 dias de viagem e preparo para a expedição, eles passaram 30 dias dormindo em barracas e vestindo várias camadas de roupas especiais que retêm o calor gerado pelo corpo. “Os dez cientistas se reuniam dentro do módulo, que é um espaço bem apertado – mas pelo menos o lugar ficou quentinho”, brinca Jefferson. Na hora das refeições, a equipe usava uma das barracas para matar a fome com peixes e verduras enlatados, além de repolho e cenoura frescos.

Equipe de cientistas inaugura o primeiro módulo cientifico brasileiro no interior da Antártica, o Criosfera 1 (Foto: Marcelo Arevalo/CECS/Chile)

Além do frio, a falta de água atrapalhou um bocado a expedição. Para matar a sede, os pesquisadores derretiam uma grande quantidade de neve ao longo do dia. Mas, na hora da higiene, economia era a palavra de ordem: parte da água era usada somente para escovar os dentes e lavar o rosto, obrigando os pesquisadores a ficar um mês sem tomar banho. Ainda bem que, com o frio, ninguém ficava suado…

Matéria publicada em 08.02.2012

COMENTÁRIOS

Mariana Rocha

Cresci gostando de fazer descobertas para escrever sobre elas. Na CHC consigo ser curiosa e escritora, tudo ao mesmo tempo!

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?