Minidinossauro

Ele vivia no Brasil e poderia ser considerado um anão entre animais gigantes do passado

A reconstrução mostra como era o Ibirania parva em vida.
Ilustração Matheus Fernandes Gadelha.

Ficha Técnica

Nome: Ibirânia (Ibirania parva) 

Origem: Interior do estado de São Paulo, na cidade de Ibirá 

Tamanho: Entre 5 e 6 metros de comprimento (da ponta do focinho à ponta da cauda) 

Peso: Desconhecido 

Época em que viveu: Entre 85 e 80 milhões de anos atrás (Período Cretáceo) 

 

Os maiores animais a caminhar em terra firme foram os dinossauros saurópodes, apelidados de pescoçudos. Eles podiam ultrapassar 30 metros de comprimento e eram verdadeiros gigantes, capazes de fazer o chão tremer! Mas… nem todos os saurópodes eram assim. Alguns não eram tão grandes. Existem alguns casos de pescoçudos “anões”, com a altura de um cavalo ou de um camelo, por exemplo. 

As espécies de dinossauros anões foram encontradas, em sua maioria, em ambientes de antigas ilhas, porque em regiões menores, com poucos recursos, essas espécies tinham alguma vantagem. Para nossa surpresa, fósseis de uma nova espécie de dinossauro pescoçudo anão foram encontrados no Brasil, e não foi em uma ilha! Foi na cidade de Ibirá, no interior de São Paulo: trata-se de uma das menores espécies de dinossauros pescoçudos conhecidas do mundo, o Ibirania parva! 

Aline Ghilardi
Departamento de Geologia 
Universidade Federal do Rio Grande do Norte 

Bruno Navarro
Laboratório de Herpetologia e Paleontologia
Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo 

Tito Aureliano
Instituto de Geociências
Universidade Estadual de Campinas 

[/vc_column_inner][/vc_row_inner]

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje das Crianças

admin

CONTEÚDO RELACIONADO

Campeonato carioca (de samba)!

Qual a origem e o que conta nos desfiles das escolas de samba?

Cofrinho da natureza

Na cultura chinesa, o porco é símbolo de prosperidade e riqueza. Por esta razão, muitos cofrinhos têm o formato desse animal. E se há algo que podemos afirmar com segurança é que “para ter sempre, é preciso poupar”.