Fofoca dos bichos

Eles avisam que algo estranho está acontecendo no ambiente. Poderiam ser considerados fofoqueiros de plantão! Mas… cientistas deram o nome de bioindicadores aos animais que são um alerta para eventos considerados fora do normal na natureza. Você gostaria de conhecê-los e descobrir o que eles sinalizam? Então, siga as pistas!

Ilustração Walter Vasconcelos

Antes que alguém pergunte: sim, é verdade que alguns animais considerados bioindicadores são levados a laboratórios para serem pesquisados cientificamente. Mas não há qualquer propósito de lhes fazer mal, apenas identificar hábitos e compreender como algumas substâncias podem prejudicar a saúde desses organismos e o equilíbrio ambiental.

Em alguns casos, os animais analisados são devolvidos ao seu ambiente natural. Em outras situações nem precisam ser retirados, porque, para determinados estudos científicos, basta observar as pistas que esses bichos deixaram. Mas do que ou de quem estamos falando exatamente? Hora de conferir!

 

Exame de sangue… de peixe!

O sangue dos peixes tem sido utilizado em algumas análises para verificar a concentração de contaminantes no ambiente que esses animais vivem, isto é, na água. Metais e metaloides (substâncias com características parecidas com as dos metais) são exemplos de substâncias que aparecem nesses exames e que, em quantidades elevadas, são tóxicas para o organismo.

Pois é, um simples exame de sangue nos peixes pode ajudar a definir medidas de prevenção da poluição nos rios e mares. Pode também ser utilizado para observar outras características, inclusive se o DNA (material genético) está danificado, se alguma célula sanguínea apresenta algum tipo de deformidade ou até mesmo para fazer uma contagem dessas células, como se faz com a gente! Se o número estiver muito abaixo ou acima do normal, pode indicar diferentes problemas ambientais.

Depois de visitar o laboratório, o animal é levado de volta ao seu ambiente, pois uma vez detectado algo perigoso ali, as atenções da comunidade científica podem se voltar para alertar a comunidade local e as autoridades!

Em um acidente ocorrido em Minamata, no Japão, a água foi contaminada por mercúrio, um metal pesado. Os peixes (e outros seres marinhos) acumularam mercúrio em seus organismos e esse metal foi transferido para outros seres vivos que se alimentaram dos peixes contaminados.
Gráfico Marina Vasconcelos

Caramujos no laboratório

A identificação de alterações físicas nos animais também pode sugerir que há algo errado em determinado ambiente. Isso aconteceu, por exemplo, com os caramujos marinhos, ao longo de todo o litoral do Brasil, em 25 áreas portuárias: algumas fêmeas desses animais estavam desenvolvendo características masculinas no seu aparelho reprodutivo. A razão: uma substância venenosa presente em tintas de proteção para cascos de barcos e navios acabava contaminando a água.

Anestesia: solução para preservar a vida dos caramujos.

A questão é que, para enxergar este problema, era necessário retirar os caramujos de suas conchas, o que causava a morte de muitos animais. E aí, o que fazer? O bom da ciência é que ela está em permanente desenvolvimento e uma técnica criada em laboratório chegou para solucionar o problema. Ela consiste em anestesiar os caramujos, examinar em detalhes a sua condição reprodutiva sem ter que retirá-los da concha e, em seguida, devolvê-los ao seu
lugar de origem.

Após esses estudos, conseguiu-se que a substância tóxica aos caramujos fosse banida do Brasil, fazendo com que o número de fêmeas afetadas diminuísse muito. Pouco tempo depois, esta substância foi banida mundialmente pela Organização Marítima Internacional (IMO).

Cocô falante

Acredite você, o cocô tem grande utilidade na ciência. É pela análise das fezes que cientistas detectam a presença de parasitos (vermes) nos animais ou estudam os restos de alimentos, que contam tudo sobre os hábitos alimentares das espécies.

Existem também experimentos com as fezes de animais para verificar se há contaminação por metais, como costuma ocorrer nas aves marinhas. Isso nos leva a concluir que as fezes são fofoqueiras do bem, não é mesmo?

Rastreados e protegidos

Para analisar hábitos e comportamentos, e descobrir se sofreram alguma mudança, já existem alternativas à retirada dos animais de seus ambientes naturais. Muitas pesquisas se baseiam somente na observação de pegadas, rastros, esconderijos e moradias dos animais. Há também a possibilidade de se instalar rastreadores nos bichos e ainda a de se fazer uso das chamadas “armadilhas fotográficas”, em que um sensor de presença aciona uma câmera instalada para filmar e fotografar os animais.

Enfim, somente com a observação e uma “mãozinha” da tecnologia, é possível saber onde estão e quantos são os tatus, as onças, os coelhos, as cobras e outros animais que habitam determinado ambiente, descobrir se algo foge ao padrão de normalidade e buscar soluções, caso isso aconteça. E o melhor: sem que ninguém se machuque.

No alto, a foto de uma onça tirada por uma armadilha fotográfica (acima).
Fotos Wikimedia Commons

Experimentos seguros

Os animais são importantes nas pesquisas que se relacionam com a saúde ambiental e com a saúde humana – neste caso, basta pensarmos no desenvolvimento de vacinas e medicamentos, cujos testes são realizados em diferentes espécies. Mas a ciência também considera que os animais têm direito à vida.

Os chamados métodos alternativos à experimentação animal defendem tanto a diminuição quanto à substituição dos organismos nas pesquisas, utilizando-se, por exemplo, modelos computadorizados ou de cultura de células, que é a reprodução apenas das células de um animal para uso em pesquisa. A tendência é avançarmos cada vez mais para poupar o sofrimento dos bichos.

Sem crueldade

Você já deve ter visto em alguns produtos os rótulos “animal free” ou “vegano – eles indicam que aquela produção não tem qualquer participação animal, seja na composição do produto ou nos testes.

Os termos “cruelty-free” ou “livre de crueldade” se referem a produtos que não utilizam testes em animais, mas que podem conter alguns elementos de origem animal – como o mel extraído das abelhas e a albumina, um nutriente presente na clara do ovo.

As testagens de alguns produtos convencionais podem ainda ser realizadas com sacrifício animal, nos quais os bichos são submetidos a testes que podem danificar o pelo, a pele, os olhos… Para que esta prática seja cada vez menos usada, vale a pena ficarmos atentos aos rótulos das embalagens e apoiarmos o consumo dos produtos que prezam pela vida dos animais, concorda?

Helena de Oliveira Souza
Alessandra Araujo de Alcantara
Eloá Barbosa da Silva
Matheus Loureiro Claudino
Marcos Antonio Fernandez
Laboratório de Ecotoxicologia Marinha
Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Matéria publicada em 01.04.2022

COMENTÁRIOS

  • Elaine duarte

    Adorei, muito bom , parabéns a todos

    Publicado em 1 de abril de 2022 Responder

    • Juanah

      Goxtei tambem <3

      Publicado em 13 de maio de 2022 Responder

      • Juanah

        Falo galera!

        Publicado em 13 de maio de 2022

      • rafael

        ola amei ise texto

        Publicado em 13 de maio de 2022

  • Raquel Barbosa

    Maravilhoso artigo! Parabéns para os autores. Atraente, bem ilustrada e de fácil entendimento, não só para as crianças, mas, também para os adultos leigos no assunto.

    Publicado em 1 de abril de 2022 Responder

  • Valéria Carvalho

    Excelente. Aprendi muito.
    Bem organizado, didático e de leitura muito agradável.
    Parabéns à equipe

    Publicado em 1 de abril de 2022 Responder

  • Joice Dourado

    Parabéns, ótimo artigo, como professora de educação infantil fico feliz que material como esse tenha sido realizado e disponibilizado para podermos consultar quando for preciso.

    Publicado em 1 de abril de 2022 Responder

  • JUMÁRIA NASCIMENTO ABRANTES

    Parabéns!!!! Adorei !!!

    Publicado em 1 de abril de 2022 Responder

  • Glaucia Cruz

    Parabéns a equipe artigo muito bom, de fácil compreensão.???

    Publicado em 1 de abril de 2022 Responder

  • Marilene Teixeira da Silva

    Parabéns jovens!! Adorei seu artigo, a linguagem simples e descomplicada consegue atingir um número vasto em todas as idades. Adorei e já divulgando aos outros amigos também professores de Biologia. Muito bom!!!

    Publicado em 2 de abril de 2022 Responder

  • Dinorah Lau

    Fantástico, parabéns aos jovens autores!

    Publicado em 2 de abril de 2022 Responder

  • Viviane Correia da Silva Peçanha

    Parabéns pelo artigo! Com uma linguagem bem dinâmica e que envolve em cada tópico.

    Publicado em 2 de abril de 2022 Responder

  • Roseli

    Parabéns muito interesante

    Publicado em 2 de abril de 2022 Responder

  • Rogério Lucas

    Parabéns pelo artigo …..muito sucinto e com explicações valiosas……fico feliz por existir pessoas com esse dom de mostrar o lado da natureza de forma simples e objetiva!

    Publicado em 2 de abril de 2022 Responder

  • Glaucia Geraldo

    Parabéns!!!
    Explicações valiosas !!!

    Publicado em 2 de abril de 2022 Responder

  • Vilma Monteiro

    Show, muito atraente e de fácil entendimento!!!

    Publicado em 2 de abril de 2022 Responder

  • Marlene Galdino Alves

    Marlene Galdino Alves
    Parabéns aos autores da matéria, é muito bom saber que apesar do desmonte da ciência que vem acontecendo nós últimos anos, tem jovens motivados a seguir em frente.

    Publicado em 2 de abril de 2022 Responder

  • Aloana Andrade

    Ótima matéria, com facil compreensão do texto e ilustração perfeita. Assunto com ótima abordagem despertando interesse a leitura. Parabéns!

    Publicado em 4 de abril de 2022 Responder

  • Letícia Brito

    Muito invteressante!!!

    Publicado em 6 de abril de 2022 Responder

  • adriana

    Bom dia Chc!
    Nós do terceiro ano da escola municipal Padre Dehon da cidade de Lavras mg,,estamos estudando sobre as diiversas formas de comunicação. e descobrimos como podemos nos informar através das revistas digitais e nos comunicar pela carta ao leitor. Acessamos a reportagem Fofoca dos bichos e adoramos saber sobre o exame de sangue nos peixes para saber sobre contaminação.
    Um grande abraço!
    Turma do 3ºano professora Adriana

    Publicado em 7 de abril de 2022 Responder

  • Regiane Morais

    Encantada! Essa é a minha definição sobre o artigo.
    Parabéns pelo excelente trabalho..
    Regiane – Prof Ciências

    Publicado em 8 de abril de 2022 Responder

  • Bruno e Gabriel

    Olá, galera da CHC, nos somos Gabriel e Bruno da escola Maria Stella de Cerqueira Cesar, o motivo da nossa carta e porque nos adoramos a publicação da pagina fofoca dos bichos, a matéria é muito legal, nos queríamos que vocês publicarem mais dessa matéria, obrigado por notarem agente. tchau muito e obrigado.
    Bruno e Gabriel g

    Publicado em 12 de abril de 2022 Responder

  • myguel e nicolas

    olá CHC nos somos estudantes da escola maria Stella, nos fizemos esta carta para falar sobre a matéria fofoca dos bichos, nos achamos muito interessante, viva e educativa se vocês pudessem publicar sobre o pelicano azul. muito obrigado tchau.
    Myguel e Nicolas.

    Publicado em 12 de abril de 2022 Responder

  • MARCIA

    ONICHAN

    Publicado em 18 de abril de 2022 Responder

  • Laura

    Eu achei muito interessante, porque eu não sabia dessas informações. O que eu mais gostei de saber é sobre os caramujos

    Publicado em 26 de abril de 2022 Responder

  • Kelly de Holanda e Silva

    O artigo ficou muito bom !!! Estão de Parabéns!!!Aprendi demais!!!

    Publicado em 9 de maio de 2022 Responder

  • Ester

    Oiiiiii?

    Publicado em 13 de maio de 2022 Responder

  • rafael

    oiiiiiiiiiiiiiiiii

    Publicado em 13 de maio de 2022 Responder

  • artur

    muito bom parabens

    Publicado em 13 de maio de 2022 Responder

  • Ester

    Muito bom o texto, adorei!!!

    Publicado em 13 de maio de 2022 Responder

  • rafael

    oiii yamate c ud

    Publicado em 13 de maio de 2022 Responder

  • artur

    receba

    Publicado em 13 de maio de 2022 Responder

  • Laura

    gosteiiiii?

    Publicado em 13 de maio de 2022 Responder

  • rafael

    ina popy grooy ina popy rolol

    Publicado em 13 de maio de 2022 Responder

  • Luanda

    Salut comment ça va?

    Publicado em 13 de maio de 2022 Responder

  • rafael

    mepaz zuzuzuzuzuzuz poc poc meeeeeeeeeeeeee zuzuzuzuzu

    Publicado em 13 de maio de 2022 Responder

  • Olivia

    Γεια σε όλους καλά

    Publicado em 13 de maio de 2022 Responder

  • sol

    Muito legal!!!!!!

    Publicado em 13 de maio de 2022 Responder

  • cleitin do gral

    mepas zuzuzuzuzuzuzuuzuzuzuz mepas acasita miamiamia meepasssssssssssssssssss zuzuzuzuzuzuzuuzuz

    Publicado em 13 de maio de 2022 Responder

  • cleitin do gral

    a manoela e a rafaela sao tudo uma garsela

    ditao piqueninim

    Publicado em 13 de maio de 2022 Responder

  • cleitin do gral

    1=+1=2

    Publicado em 13 de maio de 2022 Responder

  • fernando

    1=+1=2

    Publicado em 13 de maio de 2022 Responder

  • Giulia Lowe

    eu achei muito bom.

    Publicado em 27 de maio de 2022 Responder

  • cletinha do gral

    achei muito bom parabéns

    Publicado em 1 de junho de 2022 Responder

  • 3º Ano – Santa Mônica Centro Educacional.

    Olá, CHC. Boa tarde!
    Gostamos muito da matéria “Fofoca dos bichos”, achamos muito interessante conhecer como as pessoas podem ser contaminadas comendo os peixes que também foram contaminados.
    Gostaríamos de ler uma matéria para sabermos se é possível que exista vida em outro planeta.
    Agradecemos pela atenção. Até a próxima, CHC.

    Publicado em 8 de agosto de 2022 Responder

CONTEÚDO RELACIONADO

Bem lá no fundo do oceano

Segure o fôlego e mergulhe para descobrir o que há no mar profundo!

Monumento ao Dois de Julho

Ele fica em Salvador, na Bahia, e é um marco no processo de Independência do Brasil