Amigo que se conquista pela barriga

Dividir refeições foi o meio pelo qual humanos e cães começaram sua já longa amizade.

Não é novidade que os cães são considerados os melhores amigos dos seres humanos. Eles foram os primeiros animais a serem domesticados. Uma relação que já dura uns 20 mil anos! Hoje, ao olhar para esses peludos, que já consideramos como membros da família, fica difícil imaginar que seus antepassados eram lobos selvagens e arredios. Mas então como será que teve início essa amizade entre pessoas e cães?

Perguntas como essas não são muito fáceis de se responder. Além de não podermos voltar no tempo, nossos ancestrais da pré-história não deixavam suas histórias registradas (pelo menos não de forma clara e detalhada). Sendo assim, resta aos cientistas reunir o máximo de pistas que conseguirem para tentar bolar uma teoria que explique como as coisas aconteceram.

Este é o Dingo, uma amizade que começou quando o resgatamos atropelado em uma rodovia.
Foto cedida pelo autor

Foi assim que cientistas da Finlândia, analisando dados de diferentes áreas da ciência, como arqueologia, fisiologia, ecologia e genética, chegaram recentemente a uma explicação para o início da domesticação dos cães.

Tudo começou no final da Era do Gelo, quando temperaturas muito frias predominavam em boa parte do planeta. Naquela época, os humanos sobreviviam daquilo que podiam caçar e coletar na natureza. Como em climas muito frios os alimentos vegetais são escassos, a dieta dessas pessoas era baseada principalmente na carne de grandes animais como alces, veados e bisões.

Nossa amizade com os cães é pré-histórica, como sugerem algumas pinturas rupestres como esta, encontrada na Argélia e feita há cerca de 10 mil anos.
Foto Fondazione Passaré/Wikimedia Commons

Mas o sistema digestivo dos seres humanos não está adaptado para ingerir grandes quantidades de proteína animal. Então, acredita-se que boa parte da carne obtida com a caça era desperdiçada. Isso possibilitou que, ao invés de competirem com os lobos, como seria esperado ocorrer entres dois predadores que se alimentam das mesmas presas, estes passaram a se alimentar das sobras das refeições humanas. Os lobos eram então beneficiados pelo alimento fácil e, à medida que ficavam mais dóceis, podiam ajudar os humanos nas caçadas e protegê-los de outros animais.

Na biologia chamamos essas relações, em que as duas espécies beneficiam umas às outras, de mutualismo. Mas nesse caso podemos chamar de amizade mesmo.


vinicius

Vinícius São Pedro,
Centro de Ciências da Natureza,
Universidade Federal de São Carlos

Sou biólogo e, desde pequeno, apaixonado pela natureza. Um dos meus passatempos favoritos é observar animais, plantas e paisagens naturais.

Matéria publicada em 20.01.2021

COMENTÁRIOS

  • bianca vilas

    olá,
    eu gostei . eu adoro animais principalmente cachorro quando eu crescer vou querer ser veterinária eu tenho uma cachorrinha e uma gatinha e vou ter outra cachorrinha tchau.

    Publicado em 16 de agosto de 2021 Responder

CONTEÚDO RELACIONADO

Monumento ao Dois de Julho

Ele fica em Salvador, na Bahia, e é um marco no processo de Independência do Brasil

Uma conversa sobre cobras gigantes

Anacondas ou sucuris são serpentes que podem chegar a alguns metros de comprimento, mas não tanto quanto nos filmes!