A bordo de uma nave-escola

A nave-escola é uma réplica de espaçonave programada para ensinar e divertir

Muita gente sonha em viajar em uma nave espacial. Se você é um dos que fazem parte dessa lista de candidatos a astronauta, saiba que existe uma maneira de fazer uma viagem extraterrestre sem tirar os pés do chão. Como? Ora! A bordo da nave-escola, uma réplica de espaçonave desenvolvida por astrônomos e programada para ensinar e divertir, que está exposta na Fundação Planetário, no Rio de Janeiro!

É isso mesmo! Os pesquisadores que trabalham na Fundação Planetário se reuniram e criaram um ambiente bem parecido com um veículo espacial. Quem visitar a espaçonave pode conhecer tudo sobre o Sistema Solar. “Tivemos como inspiração para fazê-la projetos verdadeiros de veículos espaciais”, explica o astrônomo Luís Guilherme Haun. Por fora, a nave-escola tem o formato de uma nave espacial de verdade, mas o melhor mesmo está lá dentro!
A bordo da nave, você pode sentar na cabine de comando e começar sua viagem extraterrestre. Um vídeo instalado em uma grande tela permite navegar pelo espaço e conhecer cada planeta. Ali, depois de assistir ao filme, que dura cerca de dez minutos, você pode testar as “câmaras de criogenia” ‐ espécie de cabine feita para produzir o congelamento dos passageiros. Para alguns pesquisadores, no futuro, ela permitirá viajar grandes distâncias, sem envelhecer. É claro que ninguém sairá de lá congelado de verdade, mas vale a pena fazer de conta. Depois, você segue para os quiosques que cercam as paredes laterais da nave. Aí, sua viagem fica ainda mais legal.

Nos quiosques, estão disponíveis computadores, vídeos e experimentos sobre os astros que compõem o nosso Sistema Solar. Manuseando as alavancas, balanças, botões e outros acessórios, você obtém informações sobre cada um desses astros: a temperatura dos planetas, o tamanho da Lua e até o peso que você, pequeno astronauta, teria se estivesse em expedição por um desses corpos celestes. Quem pesa 60 quilos aqui na Terra, por exemplo, em Plutão, pesaria apenas 3 quilos. Sabe por quê? Por causa da força gravitacional (veja o quadro abaixo).

Já percebeu que sempre quando damos um salto caímos novamente em direção ao chão? Sabe por quê? Porque tanto nós quanto o nosso planeta possuímos massa – uma certa quantidade de matéria. Massa atrai massa. Só que, como a Terra contém muito mais massa do que a gente, é ela quem nos atrai. Essa atração é a chamada força gravitacional! Porém, caso vivêssemos em algum planeta com massa menor, a força gravitacional também seria menor e, então, pesaríamos menos do que na Terra. É o caso de Plutão.

A excursão pela nave-escola, no entanto, não acaba por aí. Ainda se pode ver painéis com ilustrações e textos sobre as conquistas espaciais ‐ conhecendo assim os principais cientistas e suas descobertas ‐, além de quadros sobre a origem da vida na Terra e da evolução dos seres vivos. Nesse último painel, aliás, existe um jogo eletrônico que simula a criação um planeta virtual. É só escolher uma estrela, um planeta, a distância entre os dois e saber se a sua escolha permite o desenvolvimento da vida no recém-criado astro.

Estações espaciais são um misto de casa e local de trabalho para os astronautas. Instaladas no espaço, elas ficam girando ao redor da Terra, em uma velocidade de 27 mil quilômetros por hora. Os astronautas embarcam em naves que se acoplam à estação e passam a viver em módulos, que são grandes tubos conectados uns aos outros. As estações espaciais são construídas para imitar as condições de vida na Terra. Morando e trabalhando no espaço, os astronautas fazem pesquisas científicas e estudam a adaptação do corpo humano fora da Terra e de lá observam o clima e a vegetação do nosso planeta.
(adaptado de “Um lar espacial”, por Thais Russomano, CHC n° 90)

Visitando a nave-escola, ainda há um traje espacial onde você pode colocar a cabeça para “tirar uma onda” de astronauta e cadeiras ejetoras para você fingir que está saindo da nave, em uma missão intergaláctica. Por último ‐ e para quem é fera em videogames ‐ tem jogos eletrônicos que permitem acoplar uma espaçonave junto a uma estação espacial (leia o quadro acima para entender como funciona uma estação espacial) .Pronto para viver um dia de astronauta? Então, prepare-se! Reúna a turma e corra para a Fundação Planetário. Por enquanto, só as escolas podem visitar a nave. Mas em janeiro de 2005 a nave-escola estará aberta para todos. Enquanto isso, que tal levar essa dica de passeio para seu professor? Você viverá um dia inesquecível com seus colegas!

A Nave-Escola foi construída com o patrocínio da Vitae – Apoio à Cultura, Educação e Promoção Social e fica na Fundação Planetário.
Rua VIce-Governador Rubens Berardo 100, Gávea, Rio de Janeiro/RJ. Visitas monitoradas de terça a sexta, às 10h e às 15h, após as sessões de cúpula.
Agendamento para escolas pelo telefone: (21) 2540-0610.

Matéria publicada em 16.11.2004

COMENTÁRIOS

Cathia Abreu

Adoro aprender coisas novas. Tenho a sorte de trabalhar me divertindo e fazendo descobertas todos os dias.

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?