Zunzunzum no espaço

Astronautas que passam temporadas na Estação Espacial Internacional estão ganhando novas companhias: em 2014, chegam ao módulo uma centena de moscas-das-frutas. As novas habitantes podem ajudar a compreender os efeitos da vida no espaço em seres humanos.

Você não leu errado: estudando as moscas, podemos entender melhor fenômenos do nosso próprio organismo. Isso acontece porque grande parte – 77%, para ser mais exato – dos genes relacionados às doenças humanas têm um equivalente no código genético desses insetos, e metade das sequências genéticas das proteínas das moscas podem ser comparadas às dos mamíferos.

O genoma das moscas-das-frutas já foi completamente mapeado. Por isso, é comum estudá-las em laboratórios de pesquisas. Muitas doenças humanas atualmente são investigadas na Terra com uma ajudinha desses animais, como as doenças de Parkinson e Huntington. (foto: NASA / Dominic Hart)

O genoma das moscas-das-frutas já foi completamente mapeado. Por isso, é comum estudá-las em laboratórios de pesquisas. Muitas doenças humanas atualmente são investigadas na Terra com uma ajudinha desses animais, como as doenças de Parkinson e Huntington. (foto: NASA / Dominic Hart)

Como as moscas se reproduzem muito rápido, várias gerações delas podem ser investigadas em um curto período de tempo – imagine quantos anos são necessários, em contrapartida, para estudar várias gerações de humanos. Além de tudo isso, elas apresentam uma característica muito importante: são todas geneticamente idênticas, ao passo que os seres humanos apresentam códigos genéticos distintos para cada indivíduo.

As ilustres passageiras vão ganhar um laboratório particular para serem estudadas na Estação Espacial Internacional. Câmeras vão monitorar seu comportamento, e algumas serão congeladas para serem analisadas na Terra. Com os resultados dos testes com essas mini-astronautas, espera-se melhorar o entendimento sobre os processos de envelhecimento, ciclo de sono, estresse e atividade cardiovascular do ser humano.

Equipamento que será usado a bordo da Estação Espacial Internacional. Os insetos terão todo seu ciclo de vida investigado, do nascimento até a morte, sob as mesmas condições de microgravidade e radiação que os astronautas humanos enfrentam, e até com um luxo que não temos – um ambiente com gravidade normal para alguns experimentos. (foto: NASA / Dominic Hart)

Equipamento que será usado a bordo da Estação Espacial Internacional. Os insetos terão todo seu ciclo de vida investigado, do nascimento até a morte, sob as mesmas condições de microgravidade e radiação que os astronautas humanos enfrentam, e até com um luxo que não temos – um ambiente com gravidade normal para alguns experimentos. (foto: NASA / Dominic Hart)

Um ponto de particular interesse é o sistema imunológico. Sabe-se que a imunidade dos astronautas diminui no tempo em que se encontram no espaço, e algumas moscas levadas a bordo do ônibus espacial Discovery em 2006 mostraram o mesmo problema. Para uma viagem curta de algumas semanas, como tem sido o caso até agora, isso não representa grandes problemas, mas imaginem uma viagem de anos a Marte e outros lugares distantes!

Matéria publicada em 14.07.2014

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

Eder C. Molina

Geofisico, apaixonado pelas Ciências da Terra e do Universo. Adora aprender mais sobre todas as coisas e receber e-mails do pessoal que lê a CHC! O endereço é [email protected]

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?

Open chat