Tchau, Sistema Solar!

Há muito tempo, quando você nem era nascido, duas sondas espaciais foram lançadas no Sistema Solar pela agência espacial norte-americana, a Nasa. Era 1977 e sua missão era fotografar planetas que até então os astrônomos conheciam pouco: Júpiter, Saturno, Netuno e Urano.

As sondas Voyager 1 e Voyager 2 foram as primeiras a fotografar detalhes de Júpiter e Saturno e as únicas a chegar a Netuno e Urano (Imagem: NASA/JPL)

As sondas Voyager 1 e Voyager 2 foram as primeiras a fotografar detalhes de Júpiter e Saturno e as únicas a chegar a Netuno e Urano (Imagem: NASA/JPL)

Batizadas de Voyager 1 e Voyager 2, foram elas que descobriram que Júpiter também tinha anéis e que existiam vulcões fora da Terra. Depois dessas grandes descobertas, elas seguiram rumo ao espaço interestelar. Foram 36 anos de viagem até que finalmente a Voyager 1 chegou lá!

Mas como saber que a sonda realmente chegou à casa das estrelas? Tem alguma placa indicando a chegada? O astrônomo Edward Stone, chefe da missão, conta que a pista foi o vento solar, uma força que parte do Sol e compõe a chamada heliosfera, espécie de bolha onde estão todos os objetos que orbitam em torno do nosso astro rei.

“Em agosto, recebemos relatórios da Voyager 1 marcando que os ventos solares tinham velocidade zero. Se não há vento solar, é porque a sonda entrou no espaço interestelar, onde estão as outras estrelas”, conta Edward.

As duas sondas passaram pelos últimos planetas do Sistema Solar e, agora, a mais rápida delas chegou ao espaço onde ficam as outras estrelas (Imagem: NASA/JPL/Caltech)

As duas sondas passaram pelos últimos planetas do Sistema Solar e, agora, a mais rápida delas chegou ao espaço onde ficam as outras estrelas (Imagem: NASA/JPL/Caltech)

Sondas espaciais não são tripuladas por humanos, mas controladas por computador. Agora a Voyager 1 é a primeira criação humana a entrar no espaço interestelar. E a Voyager 2? “Ela está cerca de dois bilhões de quilômetros atrás da primeira sonda e viaja mais devagar, por isso achamos que ainda vai demorar alguns meses para ela sair da heliosfera”, responde o astrônomo.

Daqui a alguns anos, por volta de 2025, os motores das sondas vão parar de funcionar e eles perderão também a comunicação com a Terra.  Quando isso acontecer, elas passarão a orbitar em torno do centro da Via Láctea. “Tudo o que cai ali passa a circular o centro da nossa galáxia para sempre”, revela Edward.

O fim das sondas pode parecer um pouco triste, mas, com certeza, elas têm um caminho muito legal pela frente!

Matéria publicada em 24.09.2013

COMENTÁRIOS

  • Anna Elise

    Que pena que as sondas irão parar de existir!

    Publicado em 1 de dezembro de 2018 Responder

Envie um comentário

Camille-Dornelles

Quando criança, gostava de fazer experimentos dentro de casa e explorar o mundo. Hoje, na CHC, me sinto brincando de cientista e trabalhando como jornalista ao mesmo tempo.

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?

Open chat