Quanto vale um prato de farinha?

Há muito tempo, numa época em que a escravidão ainda era prática corriqueira no Brasil, um grupo de escravos decidiu se refugiar no mato em busca de liberdade. O destino escolhido foi a Chapada dos Veadeiros, em Goiás. Hoje, seus descendentes formam o povo kalunga, que viveu praticamente isolado do resto do país até 1980.

Sem contato com a forma de viver dos outros brasileiros, os kalunga trataram de criar suas próprias regras e técnicas para viver nas matas fechadas. Criaram, inclusive, uma matemática própria, bastante diferente daquela que você vê na escola!

A pesquisadora Elivanete Alves, da Pontifícia Universidade Católica de Goiás, estudou o povo kalunga para desvendar como eles resolviam questões simples como pesar um produto para comprar ou vender.

Prato kalunga

Este é o prato, um recipiente produzido pelos kalunga a partir da cabaça e com capacidade equivalente a 2,5 litros (Foto: Elivanete Alves)

Os kalunga não usam, por exemplo, unidades de medida corriqueiras como o litro e o quilo. Por isso, para fazer comércio com outras pessoas, tiveram que aprender a relação entre as suas unidades de medida e as da cidade mais próxima.

Um exemplo dessa situação é a venda da farinha de mandioca. As pessoas da cidade pediam sacos ou a quarta de farinha – o correspondente a 20 litros. Os kalunga, sem saber quanto era uma quarta de farinha, vendiam 20 pratos – um prato é a quantidade medida por um recipiente produzido por eles a partir da cabaça, fruto da cabaceira.

O problema é que o prato kalunga é uma cuia que tem capacidade pra mais ou menos 2,5 litros. Ou seja, os kalunga estavam vendendo cerca de 50 litros como se fossem 20, e levando prejuízo! A situação só mudou depois que eles aprenderam a converter as suas medidas para as usadas na cidade.

Balança kalunga

Foto da balança criada pelos kalunga. De um lado, o pedaço de carne que se quer pesar, do outro, uma garrafa de vidro de 600 mililitros que, cheia de água, pesa um quilo (Foto: Elivanete Alves)

Já para pesar outros produtos, eles bolaram uma balança: de um lado de uma barra de madeira, prendem algo que eles saibam que pesa um quilo (na foto, uma garrafa de vidro cheia de água); do outro, o que se quer pesar (um pedaço de carne, por exemplo). Se a barra equilibrar, a carne pesa um quilo!

Esses são apenas alguns exemplos das unidades de medida usadas pelos kalunga, mas a matemática criada por eles está presente em muitos outros aspectos de sua vida, como a arquitetura das casas, os instrumentos de trabalho e até os mitos e crenças desse povo.

Matéria publicada em 12.04.2012

COMENTÁRIOS

  • hermes

    há informação errada sobre o prato. o “prato” é dois litros, de 1000 ml. Meio prato é um litro. Ainda existe essa medida no interior do tocantis, e foi usada nao somente por descendentes de escravos mas em todo o comercio até os anos 70 e 80. Conheço os Kalugas a fundo, estive lá há mais de 30 anos quando ainda nao conheciam o mundo moderno. E sempre estou por lá.

    Publicado em 9 de julho de 2020 Responder

  • Benê Mascarenhas

    No Piauí, mais precisamente no extremo sul do Estado, o prato equivale a três litros de 1000 ml. Até hoje está forma de medir é bastante usada, principalmente, na zona rural.

    Publicado em 29 de julho de 2021 Responder

Envie um comentário

Joyce-Santos

Sempre gostei de estudar e aprender. Na CHC, posso descobrir coisas novas e escrever sobre elas: perfeito!

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?

Open chat