Primo desconhecido

Um animal de dois metros de comprimento, quase 200 quilos e, ainda por cima, com pele rosada. Difícil não ser visto, não é? Acredite, mesmo assim este boto passou despercebido pelos pesquisadores. Só agora cientistas o descreveram como uma nova espécie. Mas, se o bicho já existe há um tempão, como ninguém tinha percebido antes?

Na verdade, o boto não estava escondido nem vivia em lugares inabitados. Ele passeia nas águas do rio Araguaia – que corta os estados de Goiás, Mato Grosso, Tocantins e Pará – e todo mundo sabia disso. Mas o animal foi por muito tempo confundido com seu parente mais próximo, o boto-cor-de-rosa (Inia geoffrensis), e só agora foi identificado como uma espécie distinta.

Pesquisadores brasileiros descobriram que os botos do rio Araguaia são uma espécie diferente daqueles observados na bacia do rio Amazonas (Foto: Nicole Dutra)

Pesquisadores brasileiros descobriram que os botos do rio Araguaia são uma espécie diferente daqueles observados na bacia do rio Amazonas (Foto: Nicole Dutra)

A confusão terminou quando pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia e da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) resolveram estudar os botos do Araguaia imaginando que eles poderiam ser diferentes dos botos-cor-de-rosa, que habitam a bacia do rio Amazonas.

O ecólogo Tomas Hrbek, da Ufam, conta que imaginou que os dois grupos de botos fossem espécies distintas porque eles vivem em regiões muito diferentes e separadas. Era possível que os dois botos tivessem sido um dia uma só espécie que, por viver por milênios em ambientes diferentes, teria se diferenciado em duas.

“A bacia do rio Araguaia é praticamente desconectada da bacia do Amazonas; as poucas zonas de contato entre elas são repletas de corredeiras fortes que funcionam como barreiras que impedem que os botos passem de um rio para o outro”, explica Tomas. “Por isso, pensamos que seria possível que houvesse um processo de diferenciação entre os botos de ambas as bacias.”

O novo boto se parece muito com o boto-cor-de-rosa (na foto) e não é possível diferenciá-los só de olhar  (Foto: Joachim Muller / Flickr /  <a href=http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/2.0/deed.pt>CC-BY-NC-SA 2.0</a>)

O novo boto se parece muito com o boto-cor-de-rosa (na foto) e não é possível diferenciá-los só de olhar (Foto: Joachim Muller / Flickr /
CC-BY-NC-SA 2.0)

A hipótese do pesquisador se mostrou certa. Quando ele e sua equipe comparam o DNA (código genético que define todas as características físicas dos seres vivos) do boto do Araguaia com o DNA das outras duas espécies de boto existentes no Brasil – o cor-de-rosa e o Inia boliviensis – viram que se tratava de animais diferentes, apesar de muito parecidos.

Se não fossem os testes de DNA, a nova espécie, batizada de boto-do-araguaia (Inia araguaiaensis), poderia nunca ter sido descoberta. “Os botos são todos muito parecidos”, aponta Tomas. “O I. geoffrensis tem o crânio um pouco mais largo em relação ao I. araguaiaensis, além de algumas diferenças dentárias. Mas as diferenças são quase imperceptíveis, afinal, ninguém sai por aí abrindo a boca dos botos”.

A espécie que acaba de ser descoberta já está ameaçada pela degradação do meio em que vive. Os pesquisadores acreditam que existam entre 600 e 1.500 botos-do-araguaia, ameaçados pela pesca ilegal e pela construção de hidrelétricas.

Matéria publicada em 27.01.2014

COMENTÁRIOS

  • Anna Elise

    Tomara que em extinção!

    Publicado em 22 de junho de 2019 Responder

  • Anna Elise

    *eles não entrem

    Publicado em 22 de junho de 2019 Responder

Envie um comentário

Sofia Moutinho

Curiosidade é meu lema! Desde pequena busco respostas para as perguntas mais intrigantes. Melhor que estar por dentro da ciência, só compartilhar com vocês esse conhecimento!

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?

Open chat