O bla bla bla dos passarinhos

Um ser humano e um passarinho podem ter muitas diferenças, mas compartilham uma mesma habilidade: a linguagem falada. Pelo menos do ponto de vista biológico, a fala humana e o canto de algumas aves são bastante parecidos – para comprovar, basta dar uma olhada no DNA dessas espécies.

Você já ouviu falar em DNA?
Essa sigla quer dizer, em português, ácido desoxirribonucleico. Mas o nome complicado não é obrigatório guardar: o importante é saber que quem define a cor dos seus olhos e muito mais é o DNA! Afinal, ele é um código secreto presente nas células e que ajuda a definir as características de cada ser vivo. Saiba mais sobre o DNA na CHC 122.

Pesquisadores da Universidade Duke, nos Estados Unidos, avaliaram o código genético de beija-flores e mandarins-diamante e encontraram 40 genes – trechos de DNA – ligados ao controle da fala parecidos com aqueles encontrados em humanos. O líder da pesquisa foi o neurobiólogo Erich Jarvis, que há 20 anos estuda a capacidade que algumas aves, como as espécies já citadas e o papagaio, têm de aprender a vocalizar sons.

Segundo ele, a atividade que acontece no cérebro desses pássaros durante o canto é muito parecida com a que acontece em nosso cérebro quando falamos. Por isso, o cientista decidiu investigar a genética dos animais. Os resultados, você já sabe, foram surpreendentes. “Isso é incrível, pois nem nossos parentes mais próximos, como os chimpanzés, têm essa habilidade de aprender e reproduzir sons”, comenta.

Humanos e pássaros compartilham genes parecidos que possibilitam a fala e o canto (Montagem: Carla Almeida | Imagens originais: Sxc.hu)

É bom dizer que, para Erich, a fala nada mais é do que a capacidade de controlar os movimentos da laringe para reproduzir sons. “O que diferencia os humanos e esses pássaros dos demais animais é a habilidade de imitar sons”, destaca. “A capacidade de entender a linguagem também não é única dos humanos: cães e até galinhas podem entender a linguagem e obedecer quando você diz ‘senta’.”

O pesquisador explica que a diferença entre beija-flores, mandarins-diamante e humanos é a complexidade da linguagem usada. Nossa fala é muito mais elaborada, mas isso não quer dizer que a dos pássaros seja simples. “Acredito que esses pássaros têm um nível de linguagem mais complexo do que o imaginado”, conclui Erich.

Matéria publicada em 06.03.2013

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

Sofia Moutinho

Curiosidade é meu lema! Desde pequena busco respostas para as perguntas mais intrigantes. Melhor que estar por dentro da ciência, só compartilhar com vocês esse conhecimento!

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?

Open chat