Língua paulista

No Brasil falamos português. Há também outras línguas, por exemplo, as indígenas, faladas por um número cada vez mais reduzido de pessoas. Mas o que você talvez não saiba é que o interior do estado de São Paulo, há poucos séculos, também tinha uma língua própria. Acredita?

José Joaquim Machado de Oliveira, autor do <i>Vocabulário Elementar(i). (foto: Reprodução / Livro (i)Três Biografias</i>, de José Carlos de Macedo Soares)

José Joaquim Machado de Oliveira, autor do Vocabulário Elementar. (foto: Reprodução / Livro Três Biografias, de José Carlos de Macedo Soares)

Naquela época, era muito comum o relacionamento entre colonos portugueses e índias tupis. Desse casamento surgiu a língua geral paulista, mistura da língua europeia com a indígena.

Ela foi falada até o século 19, mas acabou sumindo quando a imigração de portugueses para o país se intensificou por causa das atividades de mineração. Depois de extinta, foram poucos os registros encontrados sobre a língua até que, recentemente, foi descoberto o Vocabulário Elementar, uma lista com 1311 expressões da língua geral paulista, publicada na Revista do Arquivo Municipal de São Paulo.

Esquecida entre muitos outros artigos publicados por essa revista, a publicação foi encontrada pela linguista Fabiana Raquel Leite, da Universidade Estadual de Campinas. “No início, pensamos que fosse um registro de outra língua que existia nessa época, a Língua Geral Amazônica (hoje conhecida como Nheengatu), falada no norte do país e também originária do tupi”, conta.

Este foi o rico documento encontrado pela pesquisadora, com muitas expressões da Língua Geral Paulista. (imagem: Revista do Arquivo Municipal)

Este foi o rico documento encontrado pela pesquisadora, com muitas expressões da Língua Geral Paulista. (imagem: Revista do Arquivo Municipal)

A análise dos documentos, no entanto, mostrou que o vocabulário continha expressões faladas há séculos pela população paulista. “Apesar de os registros serem escassos, conseguimos fazer uma comparação com outros documentos da língua geral paulista”, explica a pesquisadora.

Ao contrário do que você pode estar pensando, a língua geral paulista não era nem um pouco parecida com o sotaque característico de São Paulo atualmente. Quer aprender algumas palavras?

Por exemplo, a expressão “Che cy” (lê-se da mesma forma que se escreve) queria dizer “minha mãe”. A palavra “porã” significava “bonito” e a letra “i” correspondia ao verbo ser. Agora, vamos voltar no tempo e dizer em alto e bom som: “Che cy i porã”. Acho que sua mãe vai se emocionar com o elogio – depois que você traduzir para ela, é claro.

Matéria publicada em 15.05.2014

COMENTÁRIOS

  • Anna Elise

    Com certeza ela vai gostar!Vou fazer isso agorinha!

    Publicado em 31 de maio de 2019 Responder

Envie um comentário

Isabelle Carvalho

Desde criança, sempre gostei de ler e escrever histórias. Hoje, estou muito feliz por poder contar muitas histórias sobre ciência na CHC!

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?