E sapo lá tem bola de cristal?

“Extra, extra! Sapo foge sem deixar rastros!” Pode parecer uma boa notícia para quem não curte esses anfíbios, mas muitos cientistas ficariam preocupados. Em 2009, pesquisadores ingleses observaram que sapos da espécie Bufo bufo fugiram de Áquila, na Itália, dias antes de um terremoto atingir a cidade. Em pouco tempo, quase 100 sapos sumiram do mapa – como se pudessem adivinhar o que estava por vir.

Sapo

Pouco antes de um terremoto, sapos resolveram fugir da cidade de Áquila, na Itália. Será que eles já sabiam o que viria? (Foto: Laurent Lebois/ Flickr)

Antes que você pense que os sapos italianos arrumaram uma bola de cristal, é bom explicar que a previsão de terremotos é pura química. Um pouco antes de um tremor acontecer, o solo libera partículas que sobem para a atmosfera e se espalham rapidamente, podendo chegar aos locais úmidos onde os sapos vivem. “Essas partículas reagem quimicamente com a água e produzem substâncias tóxicas para os sapos, que se sentem mal e fogem para outro lugar”, explica Friedemann Freund, geofísico da Nasa (agência espacial norte-americana) que lidera a pesquisa.

Os cientistas descobriram ainda que não é só o sapo que fica esquisito antes do terremoto – outros animais, como peixes, cobras e até minhocas sofrem com as alterações causadas pelo pré-terremoto.  As partículas liberadas pelas rochas também alteram o ar que respiramos, podendo causar náusea e dores de cabeça em muita gente. “Pessoas com disfunções cerebrais costumam se sentir muito mal dias antes do terremoto”, conta Freund.

Globo terrestre representado como um quebra-cabeças

A superfície do nosso planeta é dividida em blocos de rochas, como as peças de um quebra-cabeça. Como essas rochas estão em constante movimento, elas podem se chocar e causar os tremores de terra (Foto: Dave Ginsberg/ Flickr)

Felizmente o Brasil está fora dessa, mas países como Japão, Chile e Estados Unidos sofrem bastante com os tremores de terra. Apesar de muitos estudos, os terremotos ainda não podem ser previstos pelos cientistas. Será que os sapos vão poder ajudar nessa empreitada?

Matéria publicada em 26.01.2012

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

Mariana Rocha

Cresci gostando de fazer descobertas para escrever sobre elas. Na CHC consigo ser curiosa e escritora, tudo ao mesmo tempo!

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?

Open chat