Dúvidas na floresta

Imagine uma grande reserva de florestas naturais preservadas. Agora, imagine vários pequenos trechos de áreas menores, espalhados por aí, que, somados, ficariam do mesmo tamanho de uma grande reserva. Para preservar a natureza, qual dessas duas estratégias será mais interessante? Difícil decidir, não é mesmo?

Vista aérea de uma reserva florestal estudada pelos cientistas (Imagem: Tabajara Moreno)

Vista aérea de uma reserva florestal estudada pelos cientistas (Imagem: Tabajara Moreno)

Na verdade, essa dúvida tirou o sono de muitos cientistas durante décadas, e a boa notícia é que já temos uma resposta. “A resposta é que a pergunta pode ser considerada ingênua”, diz o ecólogo José Luís Camargo, do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa). “Para uma onça, o tamanho mínimo de uma floresta deve ser um; mas, para um besouro, por exemplo, pode ser outro”, explica o cientista.

Uma das etapas da pesquisa foi monitorar o movimento dos pássaros (representado pelas linhas vermelhas) para entender como eles se deslocam pela floresta (Imagem: Karl Mokross/PDBFF)

Uma das etapas da pesquisa foi monitorar o movimento dos pássaros (representado pelas linhas vermelhas) para entender como eles se deslocam pela floresta (Imagem: Karl Mokross/PDBFF)

Quando fragmentamos uma floresta – isto é, quando sobram apenas pequenos pedacinhos espalhados –, uma das principais consequências é a perda de espécies de aves e a morte de grandes árvores.

Por outro lado, a conservação de vários trechos de floresta fragmentada pode trazer benefícios. “Dependendo do local, esses pedacinhos de mata podem nos ajudar a manter a biodiversidade da região”, conta o ecólogo.

Depois de muito estudar, os cientistas concluíram que, em geral, o melhor mesmo é que sejam preservadas áreas extensas de floresta. Parece óbvio, mas saiba que essas informações não foram fáceis de conseguir!

Para entender essa complicada questão, os pesquisadores acompanharam, por mais de 30 anos, diversos trechos de florestas – contínuas e fragmentadas – que ficam a 80 quilômetros de Manaus, no Amazonas. O estudo, iniciado em 1979 (você não era nem nascido!), é o mais antigo projeto de conservação do Brasil e um dos mais antigos do mundo!

Matéria publicada em 21.11.2013

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

Henrique-Kugler

Adoro viajar e fotografar. Conhecer músicas de diferentes lugares do mundo é meu passatempo favorito. Ah, e adoro comer chocolate e tomar chimarrão – uma espécie de chá de erva-mate, planta típica do sul do Brasil.

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?

Open chat