D. Pedro III, o imperador que não existiu

Pedro Augusto na infância (fotos: Wikipedia).

Ele era o neto preferido de D. Pedro II e forte candidato ao trono brasileiro. Até que certos acontecimentos destruíram o seu sonho de ser imperador do Brasil, como a proclamação da República, realizada em 15 de novembro de 1889. Desde então, esquecido, esse personagem da História pouco aparece nos livros sobre a família imperial. Para quem ainda não o conhece, porém, apresentamos Pedro de Alcântara Augusto Luís Maria Rafael Gonzaga de Saxe-Coburgo e Bragança: o – ufa! – “quase” terceiro imperador do Brasil.

Nascido no Rio de Janeiro, em 1866, Pedro Augusto era o primeiro filho da princesa Leopoldina, a filha mais nova de D. Pedro II. O imperador tinha muita afeição por esse neto, o mais parecido fisicamente com ele, e depositava enorme esperança de que o menino o substituísse no futuro. Para tanto, orientava-o e verificava pessoalmente sua educação. “D. Pedro II, até o fim da vida, amparou o neto que adorava. Ele era um rapaz belíssimo, adorado pelo povo do Rio de Janeiro, que fazia fila à porta de sua casa para vê-lo entrar e sair a cavalo”, diz a historiadora Mary Del Priori, autora do livro O Príncipe Maldito, da Editora Objetiva, que conta a história de Pedro Augusto e do Brasil da época.

Nascimento inesperado
O neto predileto do imperador cresceu cercado de carinho e expectativas. Afinal, somente se a filha mais velha de D. Pedro II, Isabel, sua tia, tivesse um menino, Pedro Augusto teria a coroa ameaçada. Isso porque, pela ordem de sucessão, o filho de Isabel é quem deveria ser o terceiro imperador do Brasil. A princesa, porém, ainda não tinha um herdeiro, mesmo estando casada há dez anos com o Conde D’Eu.

O imperador D. Pedro II em 1876. Pedro Augusto era o seu neto favorito.

A história, porém, mudou com o anúncio da gravidez de Isabel. Depois de muito tempo casada, ela teve, finalmente, um filho, que representava uma grande ameaça aos sonhos de Pedro Augusto. Mesmo à sombra do primo, porém, o neto predileto de D. Pedro II cresceu com fortes expectativas de, no futuro, governar o Brasil. Tanto é que foi educado nos melhores colégios e se formou em engenharia.

Já adulto, Pedro Augusto começou a se envolver com assuntos políticos, mantendo a esperança de herdar o trono. Ele era inteligente e admirado por todos. Mas o Brasil passava por grandes mudanças. O país estava dividido. Fatos como a abolição da escravidão e a idéia de que o Brasil não devia mais ser comandado por um imperador – e sim por representantes eleitos pelo povo, transformando-se numa República – ameaçavam e aumentavam a pressão sobre a família imperial.

Doente e esquecido
Em 1889, de fato, a República acabou sendo instaurada no Brasil, apesar de muitos conflitos. Com isso, a família imperial teve que partir para a Europa. Junto com ela, seguiu Pedro Augusto, o “quase” terceiro imperador do Brasil. Em meio a tantos acontecimentos, ele adoeceu e enlouqueceu. De volta à Áustria, após longos tratamentos na Europa, foi internado em um manicômio, onde morreu, em 1934, aos 68 anos, longe do sonho de um dia ser o terceiro imperador do Brasil.

Nesta foto da família imperial, tirada em 1888, Pedro Augusto, já adulto, aparece à direita de seu avô, D. Pedro II. No ano seguinte, seria proclamada a República no Brasil.

Por que será, porém, que o neto preferido de D. Pedro II quase não é mencionado quando o assunto é a época em que o Brasil foi um império? “A história explica a razão: os monarquistas – isto é, as pessoas que defendiam que o Brasil devia continuar a ser uma monarquia, sendo governado por um imperador – nunca quiseram que viessem à tona as tensões dentro da família imperial. Como falar em Pedro Augusto é falar de loucura e traição, no entender de alguns, isso mancharia a idéia de uma família impecável, sem ódios ou outros sentimentos comuns às famílias normais”, conta Mary Del Priori.

De fato, a história de Pedro Augusto é diferente da maioria dos contos de fadas, em que príncipes e princesas vivem felizes para sempre. Mas conhecê-la, ainda mais às vésperas de mais um aniversário da proclamação da República, é algo importante. Afinal, se ele tivesse realizado o seu sonho, certamente você gostaria de saber quem foi o terceiro imperador do Brasil, não é?

Matéria publicada em 14.11.2008

COMENTÁRIOS

  • Anna Elise

    O quase imperador teve filho?O hospital que ele morreu ainda existe?

    Publicado em 28 de julho de 2018 Responder

    • Daniel Mendes

      Não, nunca teve filhos. Provavelmente, era assexual ou homossexual. Nunca desposou uma princesa.

      Publicado em 9 de novembro de 2021 Responder

  • JONATHAN GABRIEL MARTINES INSFRAN

    nossa muito bom, comi o cu de quem ta lendo!!

    Publicado em 15 de junho de 2020 Responder

  • Gilman Dias

    Que comentário ridículo… Vê se cresce lombriguento seboso.

    Publicado em 20 de agosto de 2021 Responder

Envie um comentário

Cathia Abreu

Adoro aprender coisas novas. Tenho a sorte de trabalhar me divertindo e fazendo descobertas todos os dias.

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?

Open chat