Ave das boas novas

Imagine um lugar onde a maioria das pessoas não sabia da importância de cuidar da natureza. Derrubar árvores para usar como lenha e caçar animais eram coisas comuns no dia a dia, até que um passarinho mudou o rumo da história. Esse lugar se chama Boa Nova, e o passarinho é o gravatazeiro.

Boa Nova fica no sudeste da Bahia. Não tem praias, mas possui uma natureza exuberante, formada pelo contato entre a Mata Atlântica e a Caatinga em um mesmo lugar, dando origem a uma vegetação muito especial, conhecida como mata-de-cipó.

Até hoje, os gravatazeiros só foram vistos em 12 locais do sudeste da Bahia e nordeste de Minas Gerais. Estas aves só existem onde se encontra um tipo de bromélia conhecida como gravatá – por exemplo, no interior das matas-de-cipó em Boa Nova. Mas nem todo lugar onde existe gravatá tem gravatazeiros (Foto: Edson Ribeiro Luiz)

Até hoje, os gravatazeiros só foram vistos em 12 locais do sudeste da Bahia e nordeste de Minas Gerais. Estas aves só existem onde se encontra um tipo de bromélia conhecida como gravatá – por exemplo, no interior das matas-de-cipó em Boa Nova. Mas nem todo lugar onde existe gravatá tem gravatazeiros (Foto: Edson Ribeiro Luiz)

Dentre as muitas espécies de plantas da mata-de-cipó estão as bromélias conhecidas como gravatás. Caminhar no meio dos gravatás é se machucar na certa, pois suas folhas são repletas de pequenos espinhos. Mas isso não é problema para o gravatazeiro, que vive exclusivamente onde essas plantas existem – daí o seu nome!

Os gravatazeiros fazem tudo no meio dos gravatás. É lá que capturam insetos e outros invertebrados para se alimentar, se escondem dos predadores, e até se reproduzem e constroem o ninho, onde a fêmea coloca dois ovos.

Os gravatazeiros têm uma cor que lembra a rocha ardósia, e por isso ganharam o <i>ardesiacus</i> em seu nome. Outra característica que os deixa ainda mais belos são os olhos vermelhos. Diferenciar macho e fêmea é fácil: só ele tem a garganta negra, e ela geralmente tem o topo da cabeça marrom-alaranjado (Fotos: Robson Czaban)

Os gravatazeiros têm uma cor que lembra a rocha ardósia, e por isso ganharam o ardesiacus em seu nome. Outra característica que os deixa ainda mais belos são os olhos vermelhos. Diferenciar macho e fêmea é fácil: só ele tem a garganta negra, e ela geralmente tem o topo da cabeça marrom-alaranjado (Fotos: Robson Czaban)

Esta espécie foi descoberta por Maximilian Alexander Philipp, o príncipe aventureiro de Wied-Neuwied, durante sua viagem pelo Brasil entre 1815 e 1817, e apresentada por ele em um livro de 1831. Ninguém sabe ao certo onde o príncipe encontrou o gravatazeiro, mas tudo indica que foi perto de Boa Nova – na época, chamada Boca do Mato –, enquanto seguia viagem para Salvador.

Hoje, os cientistas conhecem os gravatazeiros como Rhopornis ardesiacus. Em grego (Rhopornis) e latim (ardesiacus), o nome científico significa “ave dos arbustos, da cor de ardósia”.

Desde sua descoberta, a espécie nunca mais havia sido registrada por um pesquisador, até que o alemão Emil Kaempfer a encontrou em 1928. Nas décadas seguintes, novos registros foram feitos em Boa Nova e regiões próximas e, em 1981, veio o alerta vermelho: especialistas mostraram que o habitat dos gravatazeiros estava sendo rapidamente transformado em pastagens e plantações, e que essas aves corriam risco de desaparecer para sempre se nada fosse feito.

A solução demorou, mas apareceu. Em 2005, a Sociedade para Conservação das Aves do Brasil iniciou um plano de proteção aos gravatazeiros. Com sede em Boa Nova, onde é conhecido o maior número de indivíduos da espécie, o projeto tinha como objetivos não apenas pesquisar os hábitos desses pássaros, mas educar toda a comunidade da região sobre a importância da conservação da natureza.

De lá pra cá, boas novas! Graças ao esforço e à união de pesquisadores e moradores, o gravatazeiro passou a ser mascote da cidade. Virou time de futebol, letra de música e poesia, esculturas, pinturas, e muito mais. Várias áreas protegidas por lei foram criadas – elas ajudam não só na conservação dos gravatazeiros, mas também de outras espécies que vivem ali, protegem os mananciais de água e ainda são um grande atrativo para turistas.

O caso do gravatazeiro é um exemplo de como pesquisadores e sociedade devem interagir e criar vínculos, para juntos construírem uma nova história, onde a proteção da natureza tem destaque. Esperamos que este projeto inspire muitos outros pelo Brasil!

Matéria publicada em 03.01.2014

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

Henrique Caldeira Costa

Curioso desde criança, Henrique tem um interesse especial em pesquisar a história por trás dos nomes científicos dos animais, que partilha com a gente na coluna O nome dos bichos

CONTEÚDO RELACIONADO

Parque Nacional de Itatiaia

A primeira área de preservação ambiental do Brasil

Pequenos notáveis

Conheça os peixes criptobênticos!

Open chat