Canguru da pré-história

Imagine voltar no tempo cerca de 30 mil anos e se deparar com o bicho da imagem abaixo. Aposto que dificilmente você acharia que ele é um canguru! Com dois metros de altura e um focinho parecido com o de um coelho, o canguru gigante não saltava como os seus parentes de hoje em dia, mas tinha uma postura bípede, ou seja, caminhava sobre duas patas assim como nós.

Ilustração mostra como era a aparência dos cangurus gigantes: focinho de coelho e postura bípede. (ilustração: Brian Regal)

Ilustração mostra como era a aparência dos cangurus gigantes: focinho de coelho e postura bípede. (ilustração: Brian Regal)

Esse animal curioso pertence à extinta subfamília Sthenurinae e já era conhecido pelos paleontólogos. No entanto, somente agora cientistas da Universidade Brown, nos Estados Unidos, e da Universidade de Málaga, na Espanha, descobriram que ele não pulava e sim andava. A conclusão veio depois da comparação de esqueletos de cangurus atuais com os dos gigantes extintos.

Mas como eles sabiam que o canguru gigante caminhava sobre duas patas? A paleontóloga Christine Janis, da Universidade Brown, explica que essa informação foi deduzida pela constituição do esqueleto do animal.A nossa análise mostrou que eles tinham um tronco duro, que podia suportar o peso de uma perna de cada vez, permitindo que eles caminhassem”, conta.

Graças à postura bípede, os cangurus gigantes podiam usar as mãos para outras tarefas, como, por exemplo, colher alimentos em árvores e arbustos mais altos, diferentemente da maioria dos cangurus atuais, que se alimenta de grama.

Ao contrário dos cangurus atuais, que saltam como o da foto, os cangurus gigantes andavam sobre duas patas. (foto: PanBK / Wikimedia Commons / a href= https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/br/) CC BY-SA 3.0(/a))

Ao contrário dos cangurus atuais, que saltam como o da foto, os cangurus gigantes andavam sobre duas patas. (foto: PanBK / Wikimedia Commons / CC BY-SA 3.0)

Você deve estar imaginando que o grande tamanho também era uma vantagem para esses cangurus do passado, mas não era bem assim. Por serem muito grandes e terem ossos muito largos e pesados, eles eram lentos e isso pode ter sido um dos fatores que os levaram à extinção. “Nós não sabemos porque eles não sobreviveram, mas o seu grande tamanho provavelmente foi um problema”, imagina Christine.

A pesquisadora alerta que hoje em dia temos mais de 50 espécies de cangurus vivos pelo mundo e muitos deles estão ameaçados de extinção por causa da ação do homem. Ela acredita que devemos nos preocupar e proteger essas espécies. “Não podemos permitir que eles tenham o mesmo destino dos cangurus gigantes”, alerta.

Matéria publicada em 26.11.2014

COMENTÁRIOS

  • Tauros

    Eu sempre quis ver um procotodon

    Publicado em 23 de setembro de 2020 Responder

Envie um comentário

Lucas Lucariny

Como bom futuro jornalista, gosto muito de ler, escrever e descobrir coisas novas. Sou fã de séries, filmes, futebol, música boa e, é claro, ciência!

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?

Open chat