COMPARTILHE:

[print-button target='#areaImpressao']

Ciência Hoje das Crianças


Conteúdo do Link: http://chc.org.br/bola-de-cristal/

Bola de cristal

Conheça o experimento que ajuda a prever o futuro da vida marinha na costa brasileira

Notícias - 28-10-2015 Bichos Imprimir Pdf

Voltar no tempo ou pular para o futuro é coisa de filme, não é? Quase sempre. Às vezes, os cientistas desenvolvem experimentos capazes de nos transportar no tempo para compreender o passado e prever o futuro. Não, claro que eles não usam bolas de cristal. Mas alguns experimentos até que lembram uma. Veja, por exemplo, o mesocosmo marinho do Projeto Coral Vivo . Meso… o quê? Calma, que lá vem a resposta.

Os recifes de coral abrigam uma grande diversidade de organismos marinhos. (foto: Projeto Coral Vivo)

Os recifes de coral abrigam uma grande diversidade de organismos marinhos. (foto: Projeto Coral Vivo)

“Mesocosmo é um sistema desenhado para manter porções fechadas de corpos aquáticos ou áreas terrestres, em condições tão próximas do ambiente natural quanto possível, onde os fatores ambientais são realisticamente manipulados”, explica o biólogo marinho Gustavo Duarte, que coordena a pesquisa. O experimento está instalado em Arraial d’Ajuda, na Bahia, e, para apresentar resultados realistas, recebe água diretamente do oceano, de um ponto que está a 500 metros da costa.

Imagem de satélite mostra o mesocosmo marinho em terra e o local onde a água é captada, a 500 metros da costa. (foto: Projeto Coral Vivo)

Imagem de satélite mostra o mesocosmo marinho em terra e o local onde a água é captada, a 500 metros da costa. (foto: Projeto Coral Vivo)

Toda a estrutura tem capacidade para bombear 20 mil litros de água do mar por hora. Essa água é distribuída em diversos tanques e aquários e, no trajeto até eles, há grandes cisternas subterrâneas onde os cientistas usam aquecedores muito potentes e outros equipamentos que simulam situações que vão desde os cenários de mudanças climáticas até a poluição costeira, um problema ainda não resolvido em muitas partes da nossa bela costa oceânica.

Assim, é possível prever muito do que acontecerá com os ecossistemas marinhos no futuro se não cuidarmos bem deles. Um dos experimentos feitos no mesocosmo indicou que, se a água do oceano aumentar a sua temperatura em 2°C, algumas espécies que vivem nesse ambiente podem desaparecer. Que perigo! E o pior é que isso não está longe de se tornar realidade.

Complexo de tanques do mesocosmo marinho. (foto: Projeto Coral Vivo)

Complexo de tanques do mesocosmo marinho. (foto: Projeto Coral Vivo)

Muitas atividades humanas, como a indústria ou os transportes baseados em combustíveis fósseis, contribuem para o aumento das temperaturas na Terra (incluindo, claro, os mares). “Um acordo entre diversos países sobre o aquecimento global estabelece um limite de aumento de 2˚C na temperatura do planeta, e muitos países estão tentando aumentar este limite”, conta Gustavo. “Infelizmente, nossos resultados até agora mostram que mesmo 2˚C de aumento da temperatura podem ser muito ruins para os oceanos, principalmente para os recifes de coral – imagine aumentos maiores”.

Bem, vamos torcer para que o alerta do mesocosmo, assim como outros alertas feitos por pesquisadores do mundo inteiro, tenham o efeito desejado: conscientizar as pessoas de que precisamos começar logo a cuidar do futuro do planeta!

Everton Lopes, estagiário do Instituto Ciência Hoje
Adoro viajar e ler. Quando era pequeno queria ser escritor, hoje, posso escrever sobre um monte de coisas novas que eu descubro aqui na CHC!

Comentários

Observação: Os comentários publicados abaixo foram enviados por nossos leitores e não necessariamente representam a opinião da Ciência Hoje das Crianças.

  1. MARIA CLARA disse:

    OLÁ PESSOAL DA REVISTA CHC, SOMOS ALUNAS DO 5º ANO A, ESTUDAMOS NA ESCOLA EMEFEI PROFESSORA NEUZA BERBEL BERNAVA DE SÃO JOÃO DO PAU D` ALHO, LEMOS A REPORTAGEM ´´BOLA DE CRISTAL´´E GOSTAMOS MUITO ;PORQUE APRENDEMOS APRESERVAR O MEIO AMBIENTE E ISSO CHAMOU-NOS A ATENÇÃO.
    E NA PRÓXIMA EDIÇÃO GOSTARÍAMOS QUE PUBLICASSEM MAIS SOBRE CORAIS.

    MARIA CLARA E EMILY
    SÃO JOÃO DO PAU D`ÁLHO-SP

  2. NATHALIA ALVES SILVA disse:

    Amei pois aprende coisas q nem sabia

  3. camila de godoy csta disse:

    nao gostei

  4. camila de godoy csta disse:

    gostei muito


Deixe o seu comentário!









Conteúdo Relacionado

  • Saíra ameaçada

    Espécie existe somente no Espírito Santo e corre risco de extinção – daí a importância de criar uma área de proteção do seu hábitat

    Saíra-apunhalada ((i)Nemosia rourei(/i)): o nome popular, dramático, faz referência à mancha vermelha que o pássaro possui do bico até o peito, e que lembra sangue escorrendo de um ferimento. (foto: Gustavo Magnago)
  • Hospital de pinguins

    Laboratório em Santa Catarina acolhe pinguins-de-magalhães encontrados nas praias do estado e ajuda-os a se recuperarem para voltar para casa

    Alguns pinguins são contaminados por óleo despejado no oceano. Quando isso acontece, eles perdem a impermeabilidade de suas penas, característica que os protege do frio. Para tratar o problema, os animais precisam ser lavados e secados, até a retirada total do óleo. (foto: Univali)
  • Minha espécie, uma bandeira

    Animais e plantas emprestam suas imagens em prol da conservação da natureza

    O mico-leão-dourado é uma espécie da mata atlântica. Apesar de viver apenas no estado do Rio de Janeiro, ele virou símbolo da luta pela preservação de todo o bioma. (foto: su neko / Flickr / (a href=http://creativecommons.org/licenses/by/2.0/deed.pt)CC BY-SA 2.0(/a))
string(31) "lightboxIframe link infografico"

Novidades

Cadastre-se para receber nossas novidades por e-mail.

Seu e-mail