Astronautas de quatro patas

Vida de astronauta não é fácil, não: além de ficar longe de casa, quem se aventura pelo espaço sofre mudanças no próprio corpo. Que o digam os seis ratinhos enviados pela Agência Espacial Italiana para passar três meses na Estação Espacial Internacional. Eles viajaram com um objetivo importante: estudar as alterações que a viagem causaria em seus corpos.

Rato

Os ratos foram enviados ao espaço para ver como seus corpos reagiriam à viagem (Foto: Wikimedia Commons)

A bióloga Sara Tavella, da Universidade de Gênova, fez parte do grupo de cientistas que estudou os ossos desses ratos. Ela explica que, enquanto a gravidade e os exercícios físicos estimulam o aumento da massa e da força dos ossos, a ausência desses estímulos faz com que os ossos percam massa e fiquem mais frágeis.

Por causa disso, todos os ratinhos que foram para o espaço sofreram danos nos ossos. “Na ausência de gravidade, os osteoblastos (células que produzem tecido ósseo) reduzem a sua atividade, enquanto os osteoclastos (que degradam o tecido ósseo) aumentam. Isso causa uma diminuição da massa óssea e a fragilidade dos ossos”, conta Sara.

A astronauta Nicole Stott na Estação Espacial Internacional, ao lado das gaiolas que foram criadas para abrigar os ratos no experimento (Foto: Nasa)

Numa tentativa de evitar esse prejuízo, três dos seis ratos enviados para o espaço eram geneticamente modificados, ou seja, tiveram seu DNA modificado para produzir grandes quantidades do fator de crescimento Pleiotrophin, uma substância que age na formação óssea. O resultado foi interessante: eles perderam menos massa óssea do que os ratos normais, porque o fator de crescimento estimulou a produção e a atividade dos osteoblastos.

Estudos assim são importantes para que, no futuro, os cientistas possam evitar a perda de massa óssea nos astronautas que saem em viagens espaciais de longa duração e até em casos de doença aqui na Terra. No entanto, Sara alerta: “por enquanto, ainda não podemos usar esse fator de crescimento em humanos, precisamos realizar outros testes”.

Matéria publicada em 07.06.2012

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

Joyce-Santos

Sempre gostei de estudar e aprender. Na CHC, posso descobrir coisas novas e escrever sobre elas: perfeito!

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?

Open chat