Golfinho ou morsa?

Conheça um animal marinho do passado, diferente de tudo o que você já viu!

Ilustração Nato Gomes

Ficha Técnica

Nome: Odobenocetops peruvianus
Origem: Peru, América do Sul
Tamanho: 3 a 4 metros
Peso: cerca de 650 quilos
Época em que viveu: Entre 5 e 3 milhões de anos atrás (Período Plioceno)

Os cetáceos (baleias, botos e golfinhos) são mamíferos aquáticos que estão presentes no imaginário popular. Aposto que você já ouviu a lenda do boto-cor-de-rosa, que se transforma em um homem elegante e namorador; ou sobre um senhor chamado Jonas, que foi engolido por uma baleia. Na literatura, a baleia cachalote Moby Dick foi o terror dos marinheiros enquanto nas telas do cinema, a amizade entre o garoto Jesse e a orca Willy emocionou crianças e adultos.

Mas, há milhões de anos, existiu um cetáceo que parece ter saído diretamente da ficção científica. Batizado como Odobenocetops peruvianus, esse golfinho nadava pelos mares da costa oeste da América do Sul. O animal chamava a atenção pela sua aparência diferente e única entre os cetáceos: tinha o corpo típico de um golfinho, mas seu focinho era largo e possuía duas presas voltadas para trás, lembrando as morsas. O tamanho das presas era diferente entre os sexos: as fêmeas apresentavam presas menores e de mesmo tamanho, enquanto os machos tinham presas maiores, sendo que a presa direita era muito maior do que a esquerda.

 

Parece mas não é

O Odobenocetops peruvianus foi descrito em 1993 e um dos motivos pelo qual recebeu este nome foi pela sua semelhança com as morsas – cujo nome científico é Odobenus rosmarus. A palavra peruvianus, por sua vez, se refere ao país onde os seus fósseis foram descobertos, o Peru. O Odobenocetops peruvianos se alimentava de moluscos e outros invertebrados bentônicos (que vivem no fundo do mar), utilizando seus lábios e língua para sugar as partes moles dos moluscos para fora de suas conchas, assim como as morsas fazem atualmente.

Apesar de também serem mamíferos aquáticos, as morsas são pinípedes (o mesmo grupo das focas e leões-marinhos) e não são parentes próximas dos cetáceos. Mas como explicar a semelhança entre as morsas e o Odobenocetops? Nesse caso dizemos que são espécies convergentes, ou seja, que possuem características do corpo e comportamentais semelhantes, mas que surgiram de forma independente em cada uma delas.

 

Diferentão

Além das presas, o Odobenocetops peruvianos apresentava outras características pouco comuns entre os cetáceos. Com base no formato do seu crânio e das vértebras cervicais (aquelas da região do pescoço), sabemos que a articulação entre a cabeça e o pescoço do Odobenocetops era bastante flexível, permitindo uma liberdade de movimentos maior do que a de qualquer outro cetáceo e que o auxiliavam na hora de capturar seus alimentos no fundo do mar. Ao contrário de todos os cetáceos odontocetos (que possuem dentes e são capazes de ecolocalizar, ou seja, de localizar a distância e a posição dos objetos usando um tipo de sonar), o Odobenocetops peruvianus não apresentava melão (um órgão no topo da cabeça que está associado com a ecolocalização destes animais), por isso esse golfinho pré-histórico não era capaz de ecolocalizar. Em compensação, tinha olhos grandes e uma boa visão, que facilitavam a busca por alimento e sua navegação pelos mares.

Fred Victor de Oliveira
Departamento de Zoologia
Universidade Federal de Minas Gerais

Matéria publicada em 23.04.2021

COMENTÁRIOS

  • Bruno PR amo anime naruto clássico, shippuden filmes e naruto boruto

    Caramba eu nem sabia desse Odobenocetops peruvianus mano 5 a 3 milhões milhões imagina é muito!

    Publicado em 4 de maio de 2021 Responder

    • Bruno F. Moyano

      vdd

      Publicado em 4 de maio de 2021 Responder

      • Aquiles

        Isso não é nome.

        Publicado em 10 de maio de 2021

      • Aquiles

        Morsa

        Publicado em 11 de maio de 2021

  • Aquiles

    Um horas?

    Publicado em 10 de maio de 2021 Responder

  • Aquiles

    Um goesa?

    Publicado em 10 de maio de 2021 Responder

  • Aquiles

    Uma goesa?

    Publicado em 10 de maio de 2021 Responder

  • Aquiles

    Um morrinho?

    Publicado em 10 de maio de 2021 Responder

  • aquiles

    nunca vi esse animal antes

    Publicado em 12 de maio de 2021 Responder

  • Maria Julia

    INCRIVEL !!!!!!!!!!

    Publicado em 20 de maio de 2021 Responder

  • Henrique Freire Pepe Ranoya Santos

    Não sabia que esse tipo de golphinho era real. mas agora que eu conheso eu vou procurar mais evidencia que isso e real.

    Publicado em 24 de maio de 2021 Responder

Envie um comentário

CONTEÚDO RELACIONADO

Quem vê cara não vê coração

Já pensou em como nosso cérebro entende os ditados populares?

Nem tudo que cai na rede é para comer!

É possível escolher a melhor hora de consumir pescados e dar uma forcinha para o meio ambiente

Open chat