Atividade: dedoche de vírus!

Que tal ter um vírus gigante no seu dedo? Calma, ele não vai causar nada de mal, apenas diversão! Gostou da ideia? Pois, vamos colocar a mão na massa para fazer uma réplica em dedoche do tupanvírus, uma espécie de vírus gigante, que você conheceu no artigo principal desta edição.

Você vai precisar de:

1 pedaço (cerca de 4 centímetros) de conduíte (encontrado em lojas de materiais elétricos);
1 bola de ping-pong ou de isopor (com cerca de 4 centímetros de diâmetro);
cola quente;
tesoura;
tinta plástica da cor de sua preferência.

Atenção!! Para trabalhar com cola quente e tesoura, você deve solicitar a ajuda de um adulto!

Como fazer?

Faça um furo na bola para encaixar o conduíte. Em seguida, cole o conduíte na bola usando a cola quente. Aproveite a cola quente para aplicar em vários pontos da bola, fazendo como se fossem “chifrinhos”. Apare as pontas desses “chifrinhos” com a tesoura. Depois que eles estiverem secos, pinte-os da cor que desejar com tinta plástica. Os olhos podem ser feitos com papel ou comprados prontos em lojas de artesanato. Agora, é só criar uma história e brincar com seu dedoche de vírus gigante!

 

Paulo Marcos Tujal de Oliveira e Lucas Marques Tujal de Oliveira,

Especial para a CHC.

Matéria publicada em 28.11.2019

COMENTÁRIOS

  • Ivina

    Amei essa ideia , e otimó para as crianças ver como e perigoso não , fazer higienização.

    Publicado em 4 de agosto de 2020 Responder

  • PAULO

    QUE LEGAL

    Publicado em 19 de novembro de 2020 Responder

Envie um comentário

admin

CONTEÚDO RELACIONADO

Oceanógrafo (a)!

Você sabia que o ponto mais profundo do oceano está a cerca de 11 mil metros abaixo do nível do mar? E que essa profundidade consegue ser maior que a montanha mais alta da Terra, o Everest?! Sabia também que mais de dois terços do nosso planeta é coberto pelas águas do oceano? Descobertas incríveis como essas são possíveis graças à oceanografia!

Transporte de água

Será possível que uma vela tenha superpoderes ou alguma magia em torno dela? Ou será que há uma explicação científica para o fenômeno que você vai testar agora? Mão na massa!