Animais viajantes

Você observa uma andorinha pousada no fio de eletricidade e nem faz ideia, mas ela pode ter vindo de muito longe!

O fim de ano chegou e é época de viajar! Bons motivos para isso não faltam: curtir uma praia, conhecer novos lugares, visitar a família, ir em busca de alimento ou de um lugar melhor para criar os filhotes… Opa! Como é que é? Bem, é que assim como os humanos, muitos animais também viajam, só que com motivos diferentes dos nossos.

Baleias, tartarugas marinhas e alguns peixes, aves e insetos são exemplos de animais que enfrentam longas viagens pelo menos uma vez ao ano para se reproduzir e/ou fugir de condições ambientais severas, como temperaturas muito baixas e falta de água e de alimento. Essas jornadas que fazem parte do ciclo de vida de muitas espécies são chamadas migrações e podem durar meses e cobrir até milhares de quilômetros!

A piracema é a migração anual de peixes de água doce que se reproduzem na cabeceira dos rios.
Foto Christopher Borges
As tesourinhas (Tyrannus savana) são aves que entre a primavera e o verão podem ser vistas em toda a América do Sul e Central. Mas durante o outono/inverno todas se reúnem na região amazônica.
Foto Marcel Holyoak/Flickr

Mas como os animais conseguem viajar distâncias tão longas sem auxílio de uma bússola ou GPS? Ainda há muitas dúvidas sobre como a maioria das espécies se localiza. Mas experimentos com diferentes animais já mostraram que alguns podem se basear na posição do Sol ou de outras estrelas, na localização de pontos de referência (uma montanha, uma ilha, um rio…), no cheiro que sentem pelos caminhos que percorrem ou mesmo no campo magnético da Terra. Além disso, o comportamento de migrar pode envolver tanto componentes hereditários (uma “programação genética”), quanto pode ser aprendido e aperfeiçoado ao longo da vida, dependendo do animal.

Já pensou quanto cansaço, obstáculos e predadores essas criaturas enfrentam todos os anos em suas migrações? Pensando bem, aquela sua viagem pra visitar os parentes nem parece tão longa assim, né?


vinicius

Vinícius São Pedro,
Centro de Ciências da Natureza,
Universidade Federal de São Carlos

Sou biólogo e, desde pequeno, apaixonado pela natureza. Um dos meus passatempos favoritos é observar animais, plantas e paisagens naturais.

Matéria publicada em 28.12.2019

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

CONTEÚDO RELACIONADO

O misterioso peixe do São Francisco

Nas águas desse rio nada um peixe que é a cara do tamanduá!

O dia em que a cidade ficou verde

Conservar áreas verdes nas cidades é tudo de bom!

Open chat