COMPARTILHE:

[print-button target='#areaImpressao']

Ciência Hoje das Crianças


Conteúdo do Link: http://chc.org.br/acrobatas-rupestres/

Acrobatas rupestres

Conheça os mocós, roedores do sertão brasileiro ameaçados de extinção

O nome dos bichos - 12-02-2016 Bichos Imprimir Pdf

Enquanto viajava pelo interior da Bahia em 1817, Maximilian, o príncipe aventureiro de Wied – hoje uma região da Alemanha –, tomou conhecimento da existência de um tipo de roedor até então desconhecido pelos pesquisadores, chamado pela população local de mocó. Assim que voltou para casa, o príncipe tratou de escrever sobre sua viagem ao Brasil e as muitas descobertas que fez, incluindo a primeira descrição técnica sobre esse curioso animal.

Os mocós são roedores, ou seja, parentes próximos dos preás, capivaras e ratos. Medem menos de 40 centímetros de comprimento e pesam até um quilo. Mocó é um nome de origem indígena. Alguns especialistas dizem que quer dizer “animal que rói”, enquanto outros afirmam que significa “dois”, porque eles sempre andariam em dupla – informação que, contudo, não é verdade. (foto: Vinícius São Pedro)

Os mocós são roedores, ou seja, parentes próximos dos preás, capivaras e ratos. Medem menos de 40 centímetros de comprimento e pesam até um quilo. Mocó é um nome de origem indígena. Alguns especialistas dizem que quer dizer “animal que rói”, enquanto outros afirmam que significa “dois”, porque eles sempre andariam em dupla – informação que, contudo, não é verdade. (foto: Vinícius São Pedro)

Hoje, a espécie é conhecida pelos cientistas como Kerodon rupestris. O nome Kerodon tem origem na língua grega e quer dizer “dente com chifre”, talvez porque, dependendo do ponto de vista, os dentes molares do mocó lembrem chifrezinhos. Já o significado do nome rupestris é fácil: essa palavra vem do latim, língua que deu origem ao português, e quer dizer “que vive nas rochas”. Habitar ambientes repletos de pedras, chamados afloramentos rochosos ou lajedos, é uma característica típica dos mocós.

Este é o tipo de ambiente onde os mocós vivem, chamado de afloramento rochoso. Os mocós se escondem em frestas de rochas e se alimentam principalmente de folhas e raízes. (foto: Henrique Caldeira Costa)

Este é o tipo de ambiente onde os mocós vivem, chamado de afloramento rochoso. Os mocós se escondem em frestas de rochas e se alimentam principalmente de folhas e raízes. (foto: Henrique Caldeira Costa)

Mas não é em qualquer tipo de lajedo que os mocós vivem. O Kerodon rupestris é encontrado no sertão do nordeste do Brasil e no norte de Minas Gerais. Se você mora nessa região, provavelmente já deve ter ouvido falar dele – ou melhor, pode ser até que tenha visto um!

Durante mais de 150 anos, a única espécie de mocó conhecida era Kerodon rupestris. Mas, na década de 1960, pesquisadores brasileiros encontraram mocós em afloramentos rochosos no estado de Goiás, região central do país. Anos depois, em 1997, eles foram oficialmente identificados como uma nova espécie, chamada Kerodon acrobata – seu nome se deve à habilidade com a qual esses mocós se movimentam em seu ambiente natural. Em 2010, a espécie também foi encontrada no sul do estado do Tocantins.

Os mocós têm o curioso costume de fazer cocô sempre no mesmo lugar, que os cientistas chamam de latrina. Com o tempo, a latrina vai ficando cheia de cocô, mas pelo menos não tem cheiro ruim! (foto: Henrique Caldeira Costa)

Os mocós têm o curioso costume de fazer cocô sempre no mesmo lugar, que os cientistas chamam de latrina. Com o tempo, a latrina vai ficando cheia de cocô, mas pelo menos não tem cheiro ruim! (foto: Henrique Caldeira Costa)

Infelizmente, tanto Kerodon rupestris quanto K. acrobata estão ameaçados de extinção. O principal motivo é a caça: muitas pessoas afirmam que a carne dos mocós é saborosa, e, por conta disso, eles são procurados como fonte de alimento. Nos últimos anos, os cientistas têm percebido que a caça aos mocós e a destruição de seu hábitat natural têm causado uma redução das populações desses bichos na natureza. Se nada for feito, essas espécies podem acabar desaparecendo. Precisamos mudar essa história!

Henrique Caldeira Costa, Departamento de Zoologia, UFMG
Curioso desde criança, Henrique tem um interesse especial em pesquisar a história por trás dos nomes científicos dos animais, que partilha com a gente na coluna O nome dos bichos

Comentários

Observação: Os comentários publicados abaixo foram enviados por nossos leitores e não necessariamente representam a opinião da Ciência Hoje das Crianças.

  1. Ester Bragantine disse:

    Jesuítas, 04 de julho de 2016
    Caro editor da Revista CHC
    Ao ler a reportagem acima, fiquei triste ao descobrir que uma espécie tão fofa e interessante está ficando extinta. Ainda mais que a maior culpa deste acontecimento é do ser humano.
    A maldade das pessoas se mostram monstruosas e eles matam criaturinhas inocentes para poder saborear suas carnes.
    Acho interessante vocês mostrarem também essa realidade muito existente hoje em dia, pois assim, logo cedo as crianças começarão a pensar em proteger os animais.
    Atenciosamente,
    Ester Bragantine

  2. Cicero disse:

    Eu sou o Cicero do Tocantins, gostaria muito de ver estes animais já que na minha região parece não ter mocos. Estou a norte, tem registro de roedores ,mas parece não serem de mocos.

  3. lucas disse:

    esse bicho e feio

  4. Fabrício Locatelli Trein disse:

    Prezado Henrique. Obrigado por nos proporcionar mais esta agradável leitura. Saberia se a espécie de mocó que ocorre em Fernando de Noronha é a mesma da porção continental do Nordeste? Um abraço.

    • Henrique Costa disse:

      Boa tarde, Fabrício. Obrigado pelo elogio! Não comentei sobre o Mocó de Noronha para não deixar o texto longo. O bicho de lá é o Kerodon rupestris, porém não é nativo. Foi introduzido na década de 1960, parece que para servir de caça/diversão a militares. Ao menos é o que diz a fonte que li. Quando Noronha virou Unidade de Conservação, até o mocó introduzido ficou protegido lá.
      Um abraço!


Deixe o seu comentário!









Conteúdo Relacionado

  • Concerto no brejo

    Além de cantarem, esses anfíbios têm nomes de músicos famosos

    A perereca-de-Ozzy foi descoberta pela primeira vez em florestas do Amazonas e do Pará. Seu curioso canto chamou a atenção dos biólogos: difícil de ouvir , lembra os sons emitidos por morcegos durante o voo.  Dizem por aí que o roqueiro Ozzy Osbourne certa vez mordeu um morcego jogado no palco durante um concerto, pensando que fosse de plástico – essa foi a inspiração para a homenagem! (foto: Pedro Peloso)
  • De ‘Aa’ a ‘Zyzzyzus’

    Qual o primeiro nome científico no catálogo dos animais? E o último? Você vai descobrir agora!

    Os zoólogos possuem um catálogo com o nome dos gêneros e subgêneros de animais já descritos, organizados por ordem alfabética. Ele é chamado de (i)Nomenclatur Zoologicus(/i), e é atualizado de tempos em tempos. (foto: Nomenclator Zoologicus)
  • Caramba!

    Surpreenda-se com o nome de alguns animais na coluna ‘O nome dos bichos’

    A (i)Paludiscala caramba(/i) é uma espécie de molusco que mede poucos milímetros. Encontrada apenas em uma região do México, está ameaçada de extinção. (foto: UMMZ Mollusk Division)
string(31) "lightboxIframe link infografico"

Novidades

Cadastre-se para receber nossas novidades por e-mail.

Seu e-mail