A mais nova gripe

Quando somos infectados por um vírus, nosso organismo produz anticorpos: uma defesa feita para matar especificamente o invasor que nos atacou. Como os anticorpos ficam estocados em nosso organismo, sempre que toparmos com o mesmo tipo de vírus, ele será reconhecido e combatido, evitando que a gente fique doente.

O problema é que muitos vírus têm capacidade de sofrer mudanças: é como se eles se disfarçassem para que os anticorpos não os reconhecessem e deixassem de atacá-lo. Foi o que ocorreu com o vírus influenza A, levando ao surgimento da gripe A/H1N1.

O influenza A é um vírus humano, mas entrou no organismo de porcos. Lá, se modificou e deu origem ao novo vírus chamado de H1N1. Por esse motivo, quando as primeiras pessoas ficaram gripadas por causa desse microrganismo, a doença ganhou o nome de gripe suína.

Sintomas iguais

Assim como ocorre com a gripe comum, é fácil pegar a gripe A/H1N1. Por isso, a doença espalhou-se rapidamente pelo mundo. Seus sintomas são iguais ao da gripe tradicional: dores no corpo e na cabeça, coriza, tosse, dor de garganta e febre. “O vírus está acometendo maior número de pessoas porque a maioria delas, principalmente os mais jovens, não tem anticorpos contra ele”, explica Clélia Aranda, da Coordenadoria de Controle de Doenças.

Este é o vírus H1N1 (foto: Laboratório de influenza do Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac)

Os casos mais graves da gripe A/H1N1 foram registrados em crianças pequenas, grávidas, pessoas com doenças crônicas – como asma e diabetes – ou peso muito acima do normal. Já houve mortes por conta da nova gripe, mas não há razão para pânico. “A gripe comum também mata e os números são bem próximos”, conta Clélia. A nova gripe é grave, como toda nova doença para a qual ainda não temos anticorpos, mas há meios para preveni-la e, se necessário, tratá-la. Além disso, os cientistas já estão em busca de uma vacina contra o vírus que a causa!

Matéria publicada em 31.08.2009

COMENTÁRIOS

  • Anna Elise

    Eu acho muito importante saber sobre as doenças, porque eu posso me prevenir!

    Publicado em 15 de junho de 2019 Responder

Envie um comentário

Marcella-Huche

CONTEÚDO RELACIONADO

Um mergulho com os peixes

Acompanhe o final da aventura de Rex, Diná e Zíper e suas descobertas no fundo do mar.

Rex, Diná e Zíper em…

Um lanchinho para os peixes. É correto alimentar esses animais na natureza?

Open chat