Um mundo sem florestas

Parecia simples. Para chegarmos mais rápido até o sítio de nosso vizinho, bastava atravessarmos uma pequena mata seguindo uma trilha bem marcada e na qual não havia desvios. Na primeira entrada ao longo da estrada principal, em que se avistava apenas algumas árvores ao fundo, iniciamos a jornada.

Eu e meus amigos só nos demos conta de que caminhávamos há muito tempo quando Miguel perguntou: “Mas afinal, onde é que estamos?” Olhamos ao redor, cada um mais perplexo que o outro. Só Neném tinha uma resposta pronta: “Estamos aqui, ora. E vamos para ali…”

Entre o aqui e o ali, foram morros, riachos e muitas, muitas árvores. A paisagem, de uma pequena mata, transformou-se numa gigantesca floresta. Demoramos a descobrir que estávamos perdidos e, quanto mais caminhávamos, mais desorientados ficávamos. Naquele momento, pensei como seria bom se não existissem árvores, capim, grama e nenhum outro tipo de vegetação que nos impedisse de observar o que existia adiante. Nenhuma árvore, nenhuma planta, apenas o contorno dos morros e das curvas dos rios.

Deserto de Negev, em Israel

Como seria tedioso para nós se não existissem o cheiro, as cores e os sons das florestas! Uma pequena amostra disso é o deserto de Negev, em Israel (Foto: Wikimedia Commons)

Pode parecer estranho, mas nosso planeta já foi assim.

Nos momentos iniciais de formação da Terra, não existiam as plantas como as conhecemos hoje. A superfície terrestre era árida, coberta de rochas, sem rios permanentes e com uma umidade bastante baixa. Uma paisagem desoladora, onde nenhum animal se aventurava a viver. A incidência dos raios solares provocava temperaturas elevadíssimas e os solos eram limitados a amontoados de pequenos fragmentos de rochas.

'Rhynia gwynne-vaughanii'

Assim os pesquisadores imaginam a 'Rhynia gwynne-vaughanii', planta terrestre mais antiga de que se tem notícia (Imagem: Wikimedia Commons)

Os primeiros vegetais a existirem nos ambientes terrestres, há pelo menos 420 milhões de anos, eram pequenas plantas de parentesco longínquo com as espécies conhecidas como Psilotum, atualmente encontradas em charcos e áreas com muita umidade.

Eles surgiram a partir de plantas aquáticas, semelhantes a algas, que começaram a ter seus caules divididos e parcialmente enterrados, dando origem às raízes. Algumas porções de seu corpo conseguiam se expor ao ar, mas não possuíam folhas, flores ou frutos – eram apenas pequeninos troncos verdes ramificados, às vezes do tamanho de uma das nossas unhas!

'Psilotum'

A planta 'Psilotum' é um fóssil vivo, ou seja, pertence ao mesmo grupo a que pertenciam espécies extintas muito semelhantes. Ela é encontrada em regiões alagadas (Foto: dracophyllum / Flickr)

De lá pra cá, a variedade de plantas terrestres foi aumentando até chegar à imensa diversidade que vemos por aí: matas, campos, florestas. Pensando bem… Como seria horrível viver num mundo em que não existissem plantas! As cores das folhas, o cheiro das flores, o sabor dos frutos. Não, não seria possível suportar.

E aquele passeio de férias, como terminou? Estranhamente, não terminou. Voltamos, sabe-se lá como, ao início da trilha, sem jamais termos chegado ao sítio do vizinho. Um caminho misterioso como o das plantas, que, ao longo dos milhões de anos em que existem, se transformaram e ocuparam toda a superfície da Terra.

Matéria publicada em 13.01.2012

COMENTÁRIOS

  • Anna Elise

    Nossa, eu nunca havia pensado em um planeta Terra sem árvores!

    Publicado em 17 de novembro de 2018 Responder

Ismar de Souza Carvalho de Souza Carvalho

CONTEÚDO RELACIONADO

Parque Nacional de Itatiaia

A primeira área de preservação ambiental do Brasil

Pequenos notáveis

Conheça os peixes criptobênticos!