Peru de Natal

Em muitos lares brasileiros, a ceia natalina tem como prato principal o peru. Originária do Canadá, Estados Unidos e México, essa ave logo foi levada para a Europa após a descoberta das Américas.

Em muitas casas, o peru é a estrela da ceia de Natal. (foto: Flickr/ jbcurio – CC BY-NC 2.0)

Em muitas casas, o peru é a estrela da ceia de Natal. (foto: Flickr/ jbcurio – CC BY-NC 2.0)

Primeiro, o peru foi carregado para a Espanha onde ficou conhecido como pavo por causa da cauda dos machos. Já o verdadeiro pavão é nativo da Ásia e passou a ser chamado pelos espanhóis de pavo real.

Quando ergue sua cauda, o peru parece uma versão menos exuberante do pavão. (foto: Wikipedia)

Quando ergue sua cauda, o peru parece uma versão menos exuberante do pavão. (foto: Wikipedia)

Em alguns outros países dizia-se, com razão, que o peru tinha sido trazido das Índias Ocidentais, um dos nomes dados ao continente americano pelos europeus no século 16, e que mais tarde passou a se referir apenas ao Caribe. Na França, por exemplo, a ave ficou conhecida como coq d’Inde (galo da Índia), que depois virou dinde. Na Itália é pollo d’India (frango-da-Índia).

Em muitos lugares achava-se que o peru vinha da verdadeira Índia, lá no sudeste da Ásia. Seu nome em holandês (kalkoen) e norueguês (kalkun) vem de Kallikote (Calicute), uma cidade indiana.

No passado, o peru foi confundido com a galinha-d’Angola. (fotos: Wikipedia)

No passado, o peru foi confundido com a galinha-d’Angola. (fotos: Wikipedia)

Na Inglaterra, o caso foi outro. Antes do descobrimento da América os ingleses compravam do exterior uma ave que apreciavam bastante, a galinha-d’Angola, e que era chamada por eles de turkey-cock (galo-da-Turquia). Uns dizem que o nome tinha origem nos mercadores turcos, que traziam a ave não da Turquia, mas da África, de onde é nativa. Outros afirmam que os ingleses chamavam de turkey qualquer coisa que achavam exótica, diferente.

Quando os primeiros perus chegaram na Inglaterra, acabaram sendo vendidos como um tipo de galo-da-Turquia. Na verdade, muita gente achava que o peru e a galinha-d’Angola eram o mesmo bicho. Com o tempo, o peru passou a ser chamado apenas de turkey, e a galinha-d’Angola ficou conhecida em inglês como guinea-fowl, (galinha-da-Guiné). Aliás, essa confusão de galinha-da-Guiné e galinha-d’Angola rende uma história que contarei outro dia.

Voltando ao peru, talvez você esteja se perguntando como essa ave da América do Norte ganhou seu nome em português. Pois bem, no século 16 boa parte da América era colônia da Espanha. Para melhor administrar tudo isso, o rei espanhol criou o vice-reino do Peru, do qual faziam parte as colônias da América do Sul, e o vice-reino da Nova Espanha, do qual faziam parte as colônias da América Central e América do Norte. Os portugueses achavam que o peru tinha sido trazido do vice-reino do Peru, e por isso a ave ganhou esse nome. Mas, a verdade é que ela é nativa do antigo vice-reino da Nova Espanha. Quanta confusão!

O peru era chamado por muitos nomes diferentes pelos povos nativos dos Estados Unidos e Canadá. No México, o peru é conhecido como <i>guajolote</i>, que tem origem em uma palavra da língua nauatle e quer dizer “grande monstro”. (foto: US Department of Agriculture – CC BY 2.0)

O peru era chamado por muitos nomes diferentes pelos povos nativos dos Estados Unidos e Canadá. No México, o peru é conhecido como guajolote, que tem origem em uma palavra da língua nauatle e quer dizer “grande monstro”. (foto: US Department of Agriculture – CC BY 2.0)

Para terminar, não podemos deixar de falar sobre o nome científico do peru. Em 1758, o sueco Carl Linné publicou o livro que deu origem aos nomes científicos dos animais tal como usamos até hoje. Ele já sabia que o peru era nativo da América do Norte e diferente da galinha-d’Angola, mas chamou a espécie de Meleagris gallopavo. Na Grécia antiga meleagris ou meleagrides era o nome dado à galinha-d’Angola. Talvez Linné também achou o peru parecido com ela, por isso o batizou de Meleagris. Já o nome gallopavo significa “galo-pavão” em latim, para indicar que o peru lembra uma mistura de pavão e galo.

Existe uma segunda espécie de peru, menos conhecida. Nativa de uma parte do México, de Belize e da Guatemala, seu nome científico é <i>Meleagris ocellata</i>, por causa das manchas em forma de pequenos olhos (<i>ocellus</i>, em latim) presentes na cauda. (foto: Jorge Montejo – CC BY-NC-ND 2.0)

Existe uma segunda espécie de peru, menos conhecida. Nativa de uma parte do México, de Belize e da Guatemala, seu nome científico é Meleagris ocellata, por causa das manchas em forma de pequenos olhos (ocellus, em latim) presentes na cauda. (foto: Jorge Montejo – CC BY-NC-ND 2.0)

Quanto tumulto em torno do nome de uma só espécie, não é verdade? Mas, agora que você já sabe de tudo, neste Natal terá uma boa história para contar durante a ceia!

Matéria publicada em 23.12.2016

COMENTÁRIOS

Henrique Caldeira Costa

Curioso desde criança, Henrique tem um interesse especial em pesquisar a história por trás dos nomes científicos dos animais, que partilha com a gente na coluna O nome dos bichos

CONTEÚDO RELACIONADO

Parque Nacional de Itatiaia

A primeira área de preservação ambiental do Brasil

Pequenos notáveis

Conheça os peixes criptobênticos!